• (61) 4104-6161
  • apoio@drplastica.com.br

Category ArchiveCIRURGIA PLASTICA

Flacidez Facial: conheça alguns dos procedimentos

Acabar com a flacidez é o desejo de muitas mulheres. Às vezes, o problema surge lá pelos 30 e poucos anos — o que o torna ainda mais incômodo. No corpo, as regiões mais afetadas costumam ser os braços (o chamado “músculo do tchau”), glúteos, seios e abdome (principalmente após a gestação). No rosto, geralmente, aflige bochechas e pálpebras, bem como todo o contorno facial, descendo até o pescoço.

Embora a flacidez facial não possa ser eliminada definitivamente, existem diversos procedimentos para combater a temida falta de firmeza da pele. Neste artigo, são listados os mais usados no rosto e no pescoço. Se você está em dúvida sobre como cada um funciona e qual é o mais indicado para o seu caso, não deixe de ler!

Quais são as causas da flacidez facial?

As causas da flacidez são uma combinação de fatores internos e externos ao organismo, ligados ao envelhecimento da pele. Como dito, em algumas pessoas o problema aparece bem cedo.

Os principais fenômenos responsáveis pelo atrofiamento das atividades das células da derme e da epiderme são a glicação e a oxidação. A primeira deteriora a estrutura de sustentação do tecido cutâneo, danificando as fibras de colágeno e elastina. Já a segunda afeta o metabolismo celular, retardando o processo de regeneração da pele.

Entre os fatores extrínsecos, a lista é longa: 

  • excesso de exposição ao sol, sem o uso correto do protetor solar; 
  • tabagismo e etilismo; 
  • má alimentação; 
  • beber pouca água;
  • não praticar atividades físicas regularmente; 
  • passar muitas horas exposto à luz visível (emanada das telas, principalmente);
  • estresse físico e/ou emocional;
  • dormir pouco e/ou mal etc.

Tudo isso culmina em processos que roubam o viço e a luminosidade da pele, levando à flacidez e, também, às rugas. Mas apesar de o avanço da idade ser inevitável, é possível prevenir o envelhecimento precoce da derme.

Mudanças no estilo de vida, em busca de mais equilíbrio no dia a dia, são o primeiro passo. Buscar por tratamentos estéticos, aprovados pelas sociedades médicas, completa a estratégia de combate a flacidez e problemas associados.

O que falar com o cirurgião plástico?

O primeiro passo do cirurgião plástico é ouvir os desejos do paciente e, em seguida, analisar a possibilidade de realizá-los — sempre zelando por um resultado esteticamente harmônico e sem risco à saúde. Mas a conversa não acaba aí.

O cirurgião também lista os exames clínicos necessários para fazer o procedimento. Além disso, faz-se uma anamnese detalhada, pois o médico precisa conhecer o histórico de doenças, outras intervenções cirúrgicas, medicamentos de uso rotineiro, hábitos de vida etc.

Por fim, são abordadas questões como cuidados no pré e pós-operatório (simples, mas essenciais); o intervalo médio até o primeiro “retoque”; entre outros assuntos. Cada profissional tem sua maneira de trabalhar, mas essa atenção ao paciente é indispensável.

Como reduzir a flacidez?

Sem mais delongas, confira os tratamentos possíveis para lidar com a flacidez do rosto. Eles se dividem em:

Procedimentos minimamente invasivos 

  1. Preenchimento: também chamado de preenchimento cutâneo ou preenchimento dérmico, a técnica suaviza rugas e melhora a definição dos contornos faciais, tão prejudicados pela flacidez.
  2. Sutura: o uso de fios de sustentação (suturas absorvíveis) levantam as camadas mais profundas da derme e, ao longo do tempo, ainda estimulam a produção de colágeno, o que deixa a pele ainda mais firme e vistosa.

Procedimentos cirúrgicos

  1. Lifting facial: também chamado de facelift ou ritidoplastia, o procedimento trata a flacidez no terço médio da face, vincos profundos sob as pálpebras inferiores e ao longo do nariz até os cantos da boca, “papada”, entre outros aspectos.
  2. Blefaroplastia: mais conhecida como cirurgia da pálpebra, melhora a flacidez, remove o depósito de gordura, elimina rugas finas e outros problemas nas pálpebras superiores e inferiores, deixando o paciente com o ar descansado.

Assim, a escolha do procedimento mais adequado para reduzir a flacidez varia conforme as necessidades e condições clínicas do paciente. Uma boa conversa no consultório é o primeiro passo para alinhar suas expectativas com o que a intervenção pode, de fato, oferecer. Uma vez apto a realizá-la, é preciso abordar, ainda quais são os cuidados antes e após o procedimento — para que tudo saia da melhor forma possível!

Quando é necessário a reconstrução mamária

Essa pergunta já foi respondida de forma simples pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP): “a reconstrução mamária é um procedimento individualizado. Você deve fazê-lo para si mesma, não para satisfazer os desejos de outra pessoa ou para tentar se adaptar a qualquer tipo de imagem ideal”.

A mulher é quem deve decidir se sente vontade de reconstruir a mama após a retirada do câncer ou depois de alguma lesão nas mamas. Normalmente, quando as mulheres optam por essa cirurgia, elas buscam uma melhor qualidade de vida e aumentar sua autoestima.

FATORES PARA REALIZAR A RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA

Existem alguns fatores que podem influenciar na decisão de realizar o procedimento e do momento mais adequado para passar pela cirurgia. É importante que a mulher esteja com o emocional estável e não possua doenças que atrapalhem a recuperação e a cicatrização. Além disso, é essencial que a paciente tenha expectativas reais em relação ao resultado da cirurgia.

A reconstrução pode ser feita em uma ou em ambas as mamas, dependendo da situação. Caso a lesão ou o câncer tenha prejudicado apenas uma das mamas, apenas a mama afetada é reconstruída. Após o procedimento, as mamas podem não ficar simétricas e a mulher pode não se sentir confortável com o resultado. Quando isso acontece, cirurgias como a mamoplastia redutora, de aumento e a mastopexia podem ser indicadas pelo médico que acompanha a paciente para solucionar a questão.

Técnicas utilizadas para a reconstrução mamária

O médico especialista é quem decide qual técnica de reconstrução mamária é a mais adequada para cada paciente, em conjunto com ela, baseando-se na forma da mama e no tipo de mastectomia que foi realizada.

É importante lembrar que a cirurgia de reconstrução pode ser feita no mesmo momento da mastectomia ou, dependendo do estado de saúde da paciente, pode ser adiada para que ela tenha tempo de se recuperar dos procedimentos realizados antes de fazer uma nova operação.

Entre as técnicas utilizadas na reconstrução da mama estão:

Próteses de silicone

Podem ser utilizadas quando a pele é preservada nas cirurgias de mastectomia. Assim, a prótese dá mais volume à mama.

Normalmente, nesse tipo de reconstrução, a prótese já é colocada no momento da retirada do câncer, quando a paciente apresenta boa condição de saúde.

Expansores

Os expansores são utilizados quando a pele que restou após a mastectomia não recobre a prótese. O expansor é inserido sob a pele e é inflado com soro fisiológico gradativamente, até atingir o tamanho esperado da mama. Existem expansores definitivos e outros provisórios que, depois de um período, são substituídos por implantes definitivos.

Técnicas de retalhos com músculo, gordura e pele da paciente

Essa técnica, geralmente, é escolhida quando não existe uma quantidade suficiente de tecido na parede torácica da paciente. Assim, não é possível cobrir e sustentar o implante que seria feito na mama.

Normalmente os segmentos de pele são retirados da região abdominal ou dorsal do corpo quando essa é a técnica utilizada para a reconstrução da mama.

Rinoplastia: Tire suas dúvidas sobre a cirurgia plástica no nariz

Entre as cirurgias mais procuradas por homens e mulheres, a rinoplastia é um dos procedimentos que mais chama atenção por causa dos resultados. A técnica modifica as estruturas ósseas e cartilaginosas da região nasal e estabelece nova harmonia facial ao paciente.

Na maioria dos casos, as cicatrizes não são perceptíveis, pois as incisões são feitas dentro do nariz ou nos sulcos. No pós-operatório, a região é mantida imobilizada com gesso por cerca de sete dias. Até atingir o resultado esperado, e definitivo, o paciente passa por várias fases evolutivas com inchaços e edemas.

A principal motivação que leva os pacientes à mesa de cirurgia é restabelecer o equilíbrio entre o nariz e a face. Por isso, deve ser realizada preservando a naturalidade e a autenticidade do rosto. No entanto, outras questões que não estejam relacionadas à estética também aumentam o número de rinoplastias realizadas no mundo todo.

A seguir, apresentamos algumas informações importantes para quem deseja passar pela cirurgia plástica de rinoplastia

Indicações

– Pessoas saudáveis;

– Acima dos 13 anos;

– Com crescimento facial finalizado;

– Não fumante;

Principais modificações

– O tamanho do nariz, em relação à estrutura facial;

– A simetria nasal;

– A largura do dorso nasal;

– O perfil do nariz;

– O aspecto caído, arrebitado ou muito grande da ponta do nariz;

– A aparência grande, alargada ou arrebitada das narinas.

Quando é realizada

– Para melhorar a simetria do rosto;

– Para corrigir problemas funcionais em pessoas com desvio de septo ou crises alérgicas acentuadas;

– Para corrigir o formato arredondado e caído no nariz de pessoas com idade avançada;

– Em casos de acidentes, quedas ou pancadas que causem fraturas.

O mais importante de tudo, é que a decisão em passar por uma rinoplastia seja do próprio paciente, sem pressões sociais ou familiares e que seja realista quanto aos resultados obtidos.

Além disso, procurar um profissional qualificado, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica é essencial para garantir segurança e qualidade ao procedimento.


Como escolher um cirurgião plástico com segurança?

É considerável o número de pessoas que ficam insatisfeitas com o resultado de uma plástica ou outro procedimento estético. Tanto é que muitos médicos se dedicam a cirurgias corretivas, aquelas que alteram o resultado da primeira intervenção cirúrgica. Muitas vezes, isso acontece por conta da falta de cuidado na hora escolher um cirurgião plástico.

Nem todo médico é qualificado ou experiente em todos os procedimentos. De acordo com dados do Conselho Regional de Medicina de São Paulo, o CREMESP, colhidos em 2019, cerca de 97% dos médicos que respondiam a processos éticos-profissionais relacionados à cirurgias plásticas e procedimentos estéticos não possuíam título de especialista na área.

Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) recomenda que todos os pacientes sigam alguns critérios para sua própria segurança. O primeiro é checar se o médico responsável pelo procedimento tem cadastro ativo no Conselho Regional de Medicina da região em que atua e se, de fato, é habilitado em cirurgia plástica.

Além disso, recomenda-se pesquisar no site da SBCP se o profissional é filiado à entidade. Embora não seja obrigatório, é uma forma de o paciente resguardar-se. “Na formação de um cirurgião plástico, são 11 anos de estudo: 6 anos como médico, 2 em cirurgia geral e mais 3 anos em cirurgia plástica. Então, é muito clara a diferença entre um profissional que se prepara durante 11 anos para exercer aquela especialidade e outro que não está habilitado”, explica Níveo Steffen, presidente da SBCP.

O recente caso do médico Denis Furtado, conhecido como Dr. Bumbum, chamou atenção para o problema. Com mais de 600 mil seguidores nas redes sociais, o médico fazia sucesso ao falar sobre os procedimentos realizados por ele e publicar imagens de antes e depois dos pacientes.

Quando essa é a única forma de um cirurgião plástico comprovar sua experiência, os especialistas recomendam que os pacientes desconfiem. “Um grande perigo no exercício da cirurgia plástica é a sedução que as redes sociais têm sobre as pessoas”, comenta o presidente da SBCP.

Com raríssimas exceções, a cirurgia plástica não costuma ser algo emergencial, portanto, os médicos recomendam que o paciente não tenha pressa, planeje e pesquise bem sobre o procedimento, o profissional e o local que será realizado.

Confira todos os critérios que você deve ter ao escolher um cirurgião plástico:

  • Consultar se o médico é credenciado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica
  • Checar se o médico tem registro no Conselho Regional de Medicina da região onde atua
  • Agendar uma consulta para tirar todas as dúvidas sobre o procedimento antes de realizá-lo
  • Desconfiar de profissionais que cobram valores muito abaixo do mercado
  • Perguntar se a clínica onde será realizado o procedimento tem o alvará de funcionamento concedido pela prefeitura e pedir para ter acesso à licença sanitária

Orelha de abano: em quais casos a cirurgia plástica é recomendada?

Assim como os outros elementos do rosto, as orelhas têm participação essencial na composição da harmonia da face. Mas, se por algum motivo, seja má-formação, anomalias de crescimento ou mesmo por traumas e doenças, você não está satisfeito com a aparência de suas orelhas, é possível corrigir o incômodo.

Um dos fatores mais comuns que levam as pessoas à cirurgia plástica é a chamada orelha em abano que pode ter sua forma, posição e proporção melhoradas com a cirurgia de otoplastia.

Quais casos a cirurgia plástica é recomendada?

Conforme estabelece a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), o procedimento é indicado, principalmente, para contornar a insatisfação de adultos e crianças com a aparência de suas orelhas, mas também é empregada para corrigir orelhas muito grandes (macrotia), orelhas salientes de um ou ambos os lados e em diferentes graus, sem que haja perda auditiva.

Como sempre destaco, a indicação de tratamento com cirurgia estética deve partir da vontade do próprio paciente, cabendo a mim, no papel de médico, estabelecer se os anseios são reais e qual o tratamento mais indicado.

Em crianças, a idade ideal para fazer essa cirurgia é a partir dos 6 ou 7 anos, período em que a orelha já está totalmente formada. Lembrando que devem estar saudáveis, sem doença graves ou com infecções crônicas não tratadas de ouvido, para que possam se submeter ao procedimento.

A otoplastia não é considerada uma cirurgia das mais invasivas, pois é feito apenas um corte na pele atrás da orelha, no sulco formado entre a orelha e a cabeça. A sedação pode ser com anestesia local, local com sedação ou geral, considerando-se o tamanho da cirurgia, as condições clínicas, psicológicas e a idade do paciente. Ele pode receber alta no mesmo dia ou no dia seguinte.

No pós-operatório, é preciso evitar qualquer tipo de trauma às orelhas e, por três semanas, também não é recomendado dormir sobre elas. Logo após o procedimento, o resultado definitivo pode ser percebido, pois a orelha já está praticamente com o formato final. E, em até seis meses, a cicatriz ficará imperceptível.

Cirurgia Plástica de Reconstrução Mamária renova a autoestima

As mulheres que estão pensando em fazer a cirurgia de reconstrução mamária devem discutir com seu mastologista e com o cirurgião plástico antes da cirurgia de remoção do tumor ou da mama. Isso possibilitará que a equipe cirúrgica planeje as melhores opções de tratamento para seu caso, mesmo que decidam fazer a reconstrução mais tarde.

Benefícios da Reconstrução Mamária

As mulheres podem optar pela reconstrução mamária por muitas razões:

  • Para que suas mamas pareça mas simétricas quando estiver usando um sutiã ou um maiô.
  • Para recuperar permanentemente a forma de suas mamas.
  • Para se sentirem mais felizes com seus corpos e em relação a si mesmas.

A reconstrução da mama após a mastectomia recupera a autoestima e renova a autoconfiança da mulher. Mas é importante considerar que a mama reconstruída não será uma combinação perfeita ou substituirá a mama natural. Se o tecido da barriga, ombro ou nádegas for usado como parte da reconstrução, essas áreas também serão diferentes após a cirurgia. Converse com seu cirurgião sobre as cicatrizes cirúrgicas e mudanças na forma ou contorno de seu corpo.

Algumas questões importantes a serem consideradas:

  • A paciente pode optar em fazer a reconstrução mamária imediata ou tardia.
  • Algumas mulheres não querem pensar em reconstrução enquanto não aceitam o diagnóstico de câncer. Nestes casos, a reconstrução deve ser decidida posteriormente, quando a mulher se sentir mais preparada para pensar no assunto.
  • A paciente não tem vontade de se submeter a outras cirurgias.
  • O resultado estético pode não ser o esperado.
  • A preocupação da paciente com a cicatriz.
  • A reconstrução mamária restaura a forma, mas não a sensibilidade da mama. Com o tempo, a pele da mama reconstruída pode tornar-se mais sensível, mas não será como antes da mastectomia.
  • Uma cicatriz é o resultado natural de qualquer cirurgia, mas a morte celular (necrose) da pele da mama, do retalho, ou da gordura transplantada pode acontecer. A reconstrução imediata pode ser mais propensa a necrose. Se isso acontecer, uma nova cirurgia deverá ser feita para corrigir o problema, podendo ocasionar uma deformação na forma da nova mama.
  • A cicatrização pode ser afetada pela cirurgia, quimioterapia, radioterapia, tabagismo, alcoolismo, diabetes, medicamentos, e outros fatores.
  • O cirurgião pode sugerir que a reconstrução seja postergada por inúmeras razões, como a obesidade, a anorexia ou problemas circulatórios. Caso a paciente seja fumante, o ideal é que pare de fumar pelo menos 2 meses antes da cirurgia para permitir uma melhor cicatrização.
  • Frequentemente também é necessária uma abordagem na mama contralateral (mama saudável), para permitir que o resultado estético final seja o mais simétrico possível.
  • Muitos médicos recomendam que as mulheres não façam a reconstrução imediata se tiverem indicação de radioterapia após a cirurgia. A radioterapia pode provocar problemas após a cirurgia e reduzir as chances de sucesso.
  • Conhecer as opções de reconstrução antes da cirurgia ajuda a paciente a se preparar para a mastectomia com uma visão mais realista do futuro.
  • Se a paciente prefere fazer a reconstrução antes ou depois do término do tratamento.

A Reconstrução Mamária e a Recidiva da Doença

Estudos mostram que a reconstrução mamária não implica na recidiva do câncer de mama. Se a doença voltar, as mamas reconstruídas não devem acarretar qualquer problema com a quimioterapia ou radioterapia.

Se você está pensando em fazer a reconstrução mamária, deve saber que raramente, esconde a recidiva do câncer de mama. Você não deve considerar isso como um risco ao decidir fazer a reconstrução mamária.

Certos tipos de implantes mamários podem estar associados a um tipo de câncer raro, conhecido como linfoma anaplásico de células grandes. Este linfoma parece ocorrer com mais frequência em implantes com superfícies texturizadas (em vez de superfícies lisas. Se esse linfoma for diagnosticado após o implante, pode ser como um nódulo, acúmulo de líquido próximo ao implante, dor, inchaço ou assimetria das mamas. E geralmente responde bem ao tratamento.

Fazer (ou não) a Reconstrução Mamária

Muitas mulheres decidem não fazer a reconstrução mamária. Muitas vezes, porque não querem mais fazer outras cirurgias. Essas mulheres podem optar por usar próteses que simulam a aparência de uma mama natural. Mas, algumas podem decidir simplesmente não usar outra forma de mama.

Dicas para manter a saúde ao trabalhar por conta própria

A cada ano mais pessoas se aventuram no trabalho freelancer ou por conta própria. Se esse é seu caso, já pensou em como gerenciar sua saúde?

Sem acesso a auxílio-doença e dependendo de si mesmo para conseguir renda, você não pode se dar ao luxo de tirar folgas. Assim, trabalhadores independentes muitas vezes ignoram questões que podem comprometer sua saúde e bem-estar.

Configure seu ambiente de trabalho

Se você optou por trabalhar em casa, reserve uma sala específica (ou espaço em uma sala) que seja a sua área de trabalho, onde você poderá se concentrar apenas no seu trabalho. Essa área precisa ser clara e silenciosa e, idealmente, ter uma porta que você possa fechar.

Uma regra básica é não trabalhar no quarto em que você dorme. Isso afetará sua capacidade de dormir e desligar. Mantenha um espaço separado para o seu trabalho e para relaxar, mesmo que isso signifique apenas uma área de trabalho separada na sua sala de estar. Ao trabalhar apenas nesse espaço dedicado, as associações com diferentes áreas da sua casa permitirão que você não apenas se desligue com mais facilidade, mas também entre no modo de trabalho mais rapidamente.

Certifique-se de ter uma cadeira com boa postura (especialmente se você ficar debruçado sobre ela por horas a fio) e não adote maus hábitos de trabalhar na cama ou no sofá, pois eles podem ser difíceis de quebrar.

Faça pausas

Se você trabalha na mesa, é essencial fazer intervalos regulares no seu trabalho, levantar-se e se movimentar. Para ter o melhor desempenho, mantenha-se hidratado, pare para as refeições longe do seu espaço de trabalho e garanta que você se levante e se afaste da mesa pelo menos uma vez por hora.

Os empregadores costumam chamar um freelancer a curto prazo e exigem que um trabalho seja concluído dentro de um tempo muito curto. Mas se você trabalha muitas horas para cumprir um prazo, precisa cuidar de si mesmo. O sono é um ingrediente vital de uma vida independente e saudável.

Tenha uma alimentação saudável

Estruture seu dia para conseguir fazer três refeições e tente planejar com antecedência para ter alimentos saudáveis ​​estocados na geladeira. O café da manhã pode parecer menos importante se você não sair de casa, mas ainda precisará dos benefícios estimulantes ao cérebro dessa refeição.

Da mesma forma, ingerir proteína no almoço pode ajudar a manter o foco durante a tarde. E garanta alguns intervalos curtos para comer, pois refeições distraídas são ótimas para fazer perder o controle de calorias e ganhar peso. Troque biscoitos por uma tigela de frutas que fique ao seu lado na mesa. Assim, fica mais fácil de não cair em tentação.

Faça exercícios

Se você é viciado em trabalho (ou simplesmente não tem tempo para pensar em nada além de seu trabalho) pode ser muito fácil negligenciar a necessidade de se exercitar.

Mas essa é uma péssima ideia: caminhar, correr, andar de bicicleta (ou até mesmo um simples conjunto de alongamentos de ioga em sua própria sala de estar) pode ajudá-lo a pensar com mais clareza e deixá-lo em um estado de espírito muito melhor para quando você volta ao trabalho.

Planeje as férias

Enquanto muitos de seus clientes esperam que você trabalhe de acordo com a programação deles, você também precisa ter seu próprio horário para planejar algum tempo de folga. Não tenha medo de tirar férias, mas avise seus clientes atuais e potenciais com antecedência e providencie alguém para te cobrir, se necessário.

Durante as férias, reserve algum tempo todos os dias ou em intervalos de tempo maiores para uma verificação rápida dos e-mails, mas garanta tempo de inatividade. Caso contrário, você não terá uma pausa adequada e chance de recarregar as baterias.

Se algo precisar de uma resposta urgente, você poderá fazê-lo, mas, se puder esperar, garanta ao seu cliente que você pensará no assunto assim que chegar em casa.

Cirurgia de Papada: Como Funciona o Procedimento?

A papada, popularmente conhecida como queixo duplo, tem solução. A indicação mais comum é a cirurgia de papada, entretanto, tratamentos estéticos podem ajudar na preservação dos resultados após a cirurgia plástica.

cirurgia de papada é feita por meio de lipoaspiração, uma vez que o incômodo estético se origina pelo acúmulo de gordura abaixo do queixo e bem próximo à parte frontal do pescoço. Outra opção pode ser o lifting cérvico-facial, caso o paciente, além da gordura, apresente flacidez acentuada na região.

Como o queixo duplo se desenvolve?

O queixo duplo ou papada faz parte do processo de envelhecimento do rosto. Tanto homens quanto mulheres podem desenvolver a condição, que é o acúmulo de gordura abaixo do mento (queixo) até o pescoço. Esse acúmulo pode ser oriundo do ganho de peso, da perda de peso excessiva e pelo envelhecimento natural da face, com as estruturas perdendo a elasticidade.

Como tirar a papada?

Independentemente do que causou a condição, a forma mais efetiva de correção é a cirurgia de papada. A técnica, como já mencionado, é a lipoaspiração da papada (para quem tem gordura sobressalente na região), sendo que o cirurgião plástico vai retirar o acúmulo de gordura e melhorar o contorno na região do mento e do pescoço.

A cirurgia para remoção da papada é tida como simples, sendo que existe a possibilidade de o procedimento ser feito em uma clínica — devidamente equipada com sala cirúrgica — e com anestesia local, para casos mais simples.  Entretanto, como a cirurgia plástica pode ser combinada (mais de um procedimento ao mesmo tempo), é comum que a equipe de cirurgia plástica opte pela realização em um centro cirúrgico de um hospital.

O paciente deve estar bem de saúde para a realização do procedimento, sendo necessários exames prévios antes de se submeter a cirurgia de retirada da papada. Logo, consultar-se com um médico que tenha mais experiência em cirurgias faciais é recomendado.

Técnica de lipoaspiração

Uma das formas de acabar com o queixo duplo é com a técnica de lipoaspiração. A metodologia cirúrgica consiste na aspiração da gordura com o auxílio de cânulas bem finas. Esse equipamento é utilizado em três pontos distintos, sendo eles: nos lóbulos na parte de trás das orelhas e uma na parte de baixo do queixo.

O cirurgião plástico fará a remoção da gordura existente na região, conferindo um contorno mais harmonioso ao paciente. A cirurgia de papada com lipoaspiração é indicada a pacientes que não apresentam flacidez na região, caso contrário, é necessária uma metodologia mais complexa.

O cirurgião vai retirar o excesso de gordura e pequenos pontos são dados nas incisões por onde as cânulas foram inseridas. A estimativa é que a cirurgia de papada dure em torno de uma hora e que o paciente tenha alta hospitalar no mesmo dia.

Lifting facial: o que é, quando é indicado

O lifting facial, também chamado de ritidoplastia, é um procedimento estético que pode ser realizado com o objetivo de diminuir as rugas do rosto e pescoço, além de reduzir a flacidez da pele e remover o excesso de gordura do rosto, dando um aspecto mais jovem e bonito.

Esse procedimento de rejuvenescimento é mais comum de ser realizado em mulheres a partir dos 45 anos e deve ser feito por um cirurgião plástico habilitado para esse procedimento. O lifting facial deve ser feito sob anestesia geral e é necessário internamento por cerca de 3 dias. Em alguns casos, pode-se optar por também realizar outras cirurgias, como blefaroplastia, para corrigir as pálpebras, e rinoplastia, para fazer alterações no nariz.

Quando é indicado o lifting facial

O lifting facial é feito com o objetivo de diminuir os sinais de envelhecimento, apesar de não retardar ou parar o processo de envelhecimento. Por isso, o lifting é realizado quando a pessoa deseja corrigir:

  • Rugas profundas, dobras e marcas de expressão;
  • Pele flácida e caída sobre os olhos, bochechas ou pescoço;
  • Rosto muito fino e acúmulo de gordura no pescoço com pele caída;
  • Papada e pele frouxa sob a mandíbula;

O lifting facial é uma cirurgia plástica estética que torna o rosto mais jovem, com pele mais esticada e bonita, provocando bem-estar e aumentando a autoestima. A ritidoplastia corresponde a um processo complexo em que é necessária anestesia geral, por isso o seu custo médio é de 10 mil Reais, podendo variar de acordo com a clínica em que é realizada e se há necessidade de realização de outros procedimentos.

Como é feita a cirurgia

A cirurgia é realizada no bloco operatório pelo cirurgião, sendo necessário tomar anestesia geral ou sedação, tomando remédios para dormir profundamente e diminuir a sensação de dor. Antes de realizar o lifting facial é necessário fazer uma avaliação geral do estado de saúde, realizado exame de sangue e eletrocardiograma. O médico questiona sobre a presença de doenças, uso de remédios frequentes, uso de cigarro ou alergias que podem comprometer a recuperação.

Além disso, geralmente, o médico recomenda evitar:

  • Remédios como AAS, Melhoral, Doril ou Coristina;
  • Cigarro pelo menos 1 mês antes da cirurgia;
  • Cremes faciais nos 2 dias antes da cirurgia.

Também é fundamental fazer jejum de pelo menos 8 a 10 horas antes da cirurgia ou de acordo com a indicação do médico.

Durante o procedimento é preciso também seguir algumas orientações, como por exemplo prender o cabelo em várias mechas pequenas para evitar contaminar a pele e facilitar a realização da cirurgia. Além disso, durante o lifting facial são realizadas picadas no rosto para aplicar a anestesia geral e são feitos cortes para costurar os músculos da face e cortar a pele em excesso, sendo isso feito seguindo a linha do cabelo e da orelha, que são linhas menos visíveis caso haja formação da cicatriz.

Como se trata de um procedimento que demanda cuidado e atenção, o lifting facial pode demorar cerca de 4 horas e pode ser necessário que a pessoa fique internada no hospital ou na clínica por cerca de 3 dias.

Como é a recuperação do lifting de rosto

A recuperação da cirurgia ao rosto é lenta e causa algum desconforto durante a primeira semana. Durante o pós-operatório da cirurgia é necessário:

  • Tomar remédios para controlar a dor, como Dipirona de 8 em 8 horas, sendo mais intensa nos 2 primeiros dias;
  • Dormir de barriga para cima, apoiando a cabeça com 2 travesseiros na região das costas, deixando a cabeceira da cama bem elevada por cerca de 1 semana, para evitar o inchaço;
  • Manter a cabeça e pescoço enfaixada, permanecendo durante pelo menos 7 dias e não tirar nem para dormir ou tomar banho nos primeiros 3;
  • Realizar drenagem linfática depois de 3 dias da cirurgia, em dias alternados, cerca de 10 sessões;
  • Evitar usar cosméticos na primeira semana depois da cirurgia;
  • Evitar mexer nas cicatrizes para não causar complicações.

Em alguns casos, o médico recomenda aplicar compressas geladas na face para reduzir o inchaço durante cerca de 2 minutos na primeira semana. Além disso, no caso de ter pontos visíveis no rosto, estes são retirados cerca de 15 dias depois da cirurgia, sendo fundamental não realizar esforços, pintar o cabelo ou exposição solar nos primeiros 30 dias.

POR QUE OPERAR O QUEIXO?

O queixo constitui um dos principais pontos de referência no estudo estético da face. O queixo ideal deverá observar um posicionamento dentro de certos limites estéticos, fazendo um conjunto harmônico juntamente com outros setores como o nariz, olhos, boca, etc. Esta cirurgia ajuda a proporcionar equilíbrio harmonioso de suas características faciais para que se sinta melhor com a sua aparência.

COM QUE IDADE POSSO FAZER CIRURGIA PLÁSTICA NO QUEIXO?

Em geral a partir dos 18 anos, podendo ser realizada antes em casos específicos.

COMO SÃO AS CICATRIZES E ONDE ESTÃO LOCALIZADAS?

A cicatriz fica localizada no sulco gengival, porção interna da boca, sendo que após regeneração da mucosa ela se torna quase imperceptível.

COMO É REALIZADA A ANESTESIA?

A anestesia pode ser local, com ou sem sedação, ou anestesia geral.

QUANTO TEMPO DURA A CIRURGIA PLÁSTICA NO QUEIXO?

De 1 a 2 horas, dependendo do caso.

QUAIS OS POSSÍVEIS RISCOS E COMPLICAÇÕES DA MENTOPLASTIA?

Os riscos são mínimos e as complicações raras. O mais comum são os inchaços e as manchas roxas (equimoses). Outras complicações pouco freqüentes são: hematomas, seromas (acúmulo de líquidos), assimetrias, irregularidades, alteração de sensibilidade, rejeição da prótese, necessidade de retirar prótese, riscos anestésicos, complicações cardíacas e pulmonares, trombose venosa profunda, necessidade de retoques cirúrgicos.

QUANDO SÃO RETIRADOS OS PONTOS CIRÚRGICOS?

Não há necessidade de retirada de pontos pois estes são com fios absorvíveis.

COMO É O PÓS OPERATÓRIO?

O paciente recebe alta no mesmo dia; a dor é leve e de fácil controle com uso; repouso de 3 a 5 dias.

QUANTO TEMPO PARA ATINGIR O RESULTADO DEFINITIVO?

O resultado já é percebido nos primeiros dias, mas o resultado definitivo deve aparecer com 6 meses.

QUAIS SÃO OS CUIDADOS PRÉ-OPERATÓRIOS?

  • Comparecer ao local da cirurgia no horário previsto;
  • Comunicar qualquer anormalidade que possa lhe ocorrer até o dia da cirurgia;
  • Jejum de 8 horas (inclusive de água);
  • Compareça com acompanhante no dia da cirurgia.

QUAIS SÃO OS CUIDADOS NO PÓS-OPERATÓRIO?

  • Alimentação com dieta líquida por 1 semana;
  • Evitar sol principalmente enquanto estiver com manchas roxas, pois, pode manchar a pele;
  • Obedecer à prescrição médica;
  • Volte ao consultório para revisão nos dias estipulados;
  • Repouso de 3 a 5 dias.

Microcirurgia permite reconstituição precisa na cirurgia plástica

Microcirurgia é todo procedimento que precisa de ampliação da imagem para ser feito. Técnica da cirurgia plástica pouco difundida no país que hoje já permite reconstruir, com sucesso, partes mínimas do corpo humano como vasos e nervos. O procedimento é tão preciso que pode refazer, por exemplo, um nervo da língua com três milímetros de diâmetro, num caso de câncer de boca em que o paciente perdeu parte deste órgão.

O cirurgião plástico especializado em microcirurgia é capaz de reconstruir quase à perfeição partes do corpo que foram danificadas, seja por acidentes, retirada de tumores ou defeitos congênitos, substituindo o tecido perdido por outro que seja o mais parecido possível com este. Pele, ossos, músculos, tendões, nervos e mesmo segmentos de intestino podem ser transferidos através de técnicas microcirúrgicas. Pouco se sabe a respeito no Brasil, pois a plástica estética aqui tem mais popularidade.

No entanto, a Microcirurgia Reconstrutiva surgiu no início da década de 1970, provocando impactos na Cirurgia Plástica Reconstrutiva e em todas as demais especialidades que dependiam dos recursos limitados de reconstrução. A Cirurgia Plástica, especialidade cujas prioridades são a reconstrução de forma e função do corpo humano, foi a primeira a usar as técnicas microcirúrgicas. A aplicação mais óbvia é transferir blocos de tecidos saudáveis de uma parte do corpo (doadora) para uma região defeituosa (receptora). Os defeitos em geral são proveniente de trauma, ressecção tumoral ou mesmo de deformidades congênitas.

Exemplos práticos de microcirurgia na reconstrução:

  • Mama retirada devido a um câncer.
  • Movimento após paralisia através de transplante de um músculo;
  • Parte da laringe (aparelho responsável pela fonação) com um segmento do intestino delgado.
  • Osso perdido, seja por câncer ou acidente, com a transferência de um osso vascularizado.
  • Nervos periféricos. Nervos lesados podem ser reparados primariamente ou serem substituídos por outros com a finalidade de recuperação da sensibilidade ou da motricidade relacionadas ao nervo lesado.
  • Corte no nervo facial, que resulta em perda da mímica facial do lado acometido. O reparo microcirúrgico deste nervo na fase aguda restaura a função comprometida.

Cirurgias plásticas estéticas também podem se beneficiar do uso da ampliação em situações como operações de pálpebras (blefaroplastia) e nariz (rinoplastia). Pois, como são estruturas mais delicadas e de anatomias complexas, a precisão fornecida pela ampliação (uso de lupa) confere resultados mais próximos do esperado.

Os atuais desafios da microcirurgia são os transplantes de face e mão. Somada à imunossupressão, um paciente com mutilação grave de face pode recuperar o órgão, estética e funcionalmente, por transplante microcirúrgico. A microcirurgia se apresenta assim como técnica essencial para o cirurgião plástico reconstrutivo que visa obter a melhor forma e função possíveis.

Abdominoplastia: Quem pode fazer ?

O que é abdominoplastia?

Abdominoplastia, também chamada dermolipectomia de abdômen ou plástica de abdômen, é a cirurgia plástica realizada no abdômen para retirar o excesso de pele, gordura e estrias, ocasionados por vários motivos, e propiciar a recuperação da firmeza dos músculos da região abdominal.

Por que fazer abdominoplastia?

A abdominoplastia é feita para corrigir a protrusão abdominal que decorre da flacidez muscular ou dos depósitos de gordura acumulados no abdômen, bem como para retirar as estrias da região da barriga. Com as gravidezes ou perdas significativas de peso, os músculos retos da parede abdominal têm tendência para se afastar, conferindo um aspecto mais arredondado ao abdome. Nessas situações, a pele também fica com pregas cujo aspecto físico pode ser melhorado com a abdominoplastia.

Quem pode e deve fazer abdominoplastia?

A abdominoplastia pode ser feita apenas por motivos estéticos ou ser terapêutica. Em primeiro lugar, os candidatos a uma abdominoplastia estética devem estar saudáveis e estarem em boa forma, porque em pacientes cuja musculatura abdominal seja muito fraca, a sutura muscular realizada durante a cirurgia pode ficar comprometida. Em geral, a abdominoplastia é requisitada principalmente por mulheres que tiveram múltiplas gestações, por pessoas que experimentaram um processo de grande emagrecimento e pessoas que geneticamente possuem acúmulo de gordura na região da barriga.

“Uma vantagem da Abdominoplastia é dar o ponto no músculo que se afastaram sua posição inicial, é chamado de plicatura do músculo reto abdominal.”

DR. Alexandre Nunes Cirurgião Plástico em Brasília

Quem não pode e não deve fazer abdominoplastia?

Mulheres que pretendam engravidar ou pessoas em que é previsto um grande ganho de peso após a cirurgia, porque essas condições dependem de uma grande distensão do abdômen. A presença de cirurgias anteriores também pode reduzir a eficácia da abdominoplastia. Pessoas com doenças do colágeno, as que têm cicatrizes na região abdominal e alguns fumantes precisam ser avaliados individualmente. Em pessoas magras, com gorduras localizadas, a abdominoplastia pode ser substituída por um procedimento mais simples, a lipoaspiração, para fazer a retirada das gorduras excedentes. A abdominoplastia não deve ser feita simplesmente por pessoas que desejam emagrecer porque ela não é uma técnica de emagrecimento.

Cirurgia Plástica em Brasília Abdominoplastia

Em que consiste a abdominoplastia?

Em geral, a cirurgia é feita com anestesia raqui ou peridural, com sedação, e o paciente permanece no hospital por dois a quatro dias. Somente deve utilizar-se a anestesia geral se o procedimento for mais extenso ou associado a outros procedimentos. O cirurgião já terá feito uma avaliação prévia do abdômen do paciente e determinado as correções a serem feitas.

Normalmente, a abdominoplastia requererá duas incisões: a primeira será feita horizontalmente, levemente curvada para cima, no baixo abdômen, logo acima dos pelos pubianos; a segunda incisão é vertical, próxima ao umbigo. A pele é então separada das partes profundas da parede abdominal e os músculos abdominais são suturados, tornando-se mais rígidos, proporcionando uma barriga mais plana e uma cintura mais bem definida. A pele em excesso é retirada e o umbigo é recolocado em sua posição normal. Feito isso, as incisões da cirurgia poderão ser completamente suturadas.

A duração da cirurgia é muito variável, dependendo da complexidade dela, mas a maioria dos procedimentos dura cerca de duas e não mais de cinco horas. Após a cirurgia, são colocados drenos de aspiração na parte inferior da barriga, para evitar o acúmulo de líquidos na região abdominal que podem causar desconforto ou infecções. Esses drenos podem posteriormente ser retirados no próprio consultório do cirurgião. Feito isso, as incisões da cirurgia poderão ser completamente fechadas.

No período pós-operatório é necessário o uso de uma cinta de compressão. Imediatamente depois da cirurgia o/a paciente (geralmente é uma mulher) vai estar edemaciado(a), com hematomas e alguma dor, que melhoram gradativamente nos dias seguintes. O abdômen pode parecer estar apertado e o paciente vai sentir necessidade de se dobrar um pouco na cintura para ter mais conforto, mas dentro de dez a quinze dias vai retomar a vida normal.

Quais são os resultados da abdominoplastia?

Imediatamente após a cirurgia o abdômen está esteticamente muito melhor. A abdominoplastia pode ser associada à lipoaspiração para melhores resultados e para um melhor contorno corporal.

Por que acontece o deslocamento da prótese de silicone?

Depois de turbinar os seios, o resultado não é imediato. Leva alguns meses para o corpo se adaptar e eles ficarem com o tamanho e o formato desejados — lindos e empinados.  Algumas mulheres têm dúvidas nesse período, e uma das principais é como saber se a prótese de silicone deslocou.

Mas para que você fique tranquila e entenda o que acontece direitinho no pós-operatório, vamos explicar tudo sobre esse assunto.

Vamos contar por que o deslocamento da prótese de silicone pode acontecer, os sinais de que ela se deslocou e, principalmente, o que você pode fazer para evitar esse problema.

Você vai perceber que, com a tecnologia que existe hoje, isso é realmente muito raro. Assim, poderá se preparar para sua cirurgia e garantir que o resultado seja perfeito. Confira!

Por que acontece o deslocamento da prótese de silicone?

1.  Falta de cuidado no pós-operatório

A causa mais comum de deslocamento de próteses de silicone é perfeitamente evitável: falta de cuidado no pós-operatório, especialmente nos primeiros três meses após a colocação do implante.

Por que isso acontece?

A cirurgia de prótese de silicone geralmente é muito tranquila, a alta pode ser dada à paciente apenas 6 horas após o procedimento e, devido aos medicamentos, não sente dor.

Por isso, muitas delas começam a “abusar” de todo esse bem-estar, fazendo atividades que não deveriam: levantam os braços, realizam serviços domésticos, carregam peso, voltam a dirigir antes da hora…

Nesses casos pode, sim, acontecer um deslocamento. Mas como você pode perceber, essa é uma situação totalmente evitável.

2. Situações de pressão extrema

Pancadas e quedas muito sérias podem causar esse tipo de problema, mas convenhamos que não são situações que acontecem todos os dias e fogem do controle da paciente.

3. Contratura capsular

A contratura capsular é o processo que leva à rejeição do implante. Como já falamos aqui no blog, quando a paciente usa uma prótese de boa qualidade, as chances  desse problema acontecer são muito pequenas.

A contratura acontece quando o organismo entende que a prótese é um corpo estranho. Ao perceber que ela é diferente dos outros tecidos naturais, sente que precisa se defender.

Para isso, o corpo forma uma cápsula ao redor da prótese, que pode causar o deslocamento.

Como saber se a prótese de silicone deslocou?

Quando falamos de deslocamentos que acontecem devido a grandes traumas, a paciente provavelmente sentirá a movimentação da prótese.

Afinal, o problema foi causado por um grande impacto, e o organismo sente essa mudança brusca.

Já no caso do deslocamento devido à falta de cuidado no pós-operatório ou  à contratura capsular, os sinais são mais sutis.

A identificação do problema depende muito mais da atenção da paciente e sua observação do aspecto das mamas. Por esse motivo, observar a estética e simetria é muito importante.

Para saber se a prótese de silicone deslocou, a paciente deve observar se uma das mamas está desalinhada. É possível perceber que seu ponto mais alto não coincide com a aréola ou o centro da mama, criando um aspecto assimétrico.

Em algumas mulheres, essa condição pode causar uma certa rigidez, mudando a consistência da mama.

Esses sinais mostram como saber se a prótese de silicone deslocou. Se a paciente observou algum, ou vários desses sintomas, deve ficar atenta e procurar um médico.

Como evitar o deslocamento da prótese?

Agora que você já descobriu como saber se a prótese de silicone deslocou, deve estar se perguntando como evitar esse problema. Então, nós fizemos uma seleção de dicas para ajudá-la.

1. Preste atenção nas suas mamas

Em primeiro lugar, essa não é uma tarefa difícil. Acredite: depois que os seus seios estiverem turbinados, você vai ter muito prazer em admirá-los no espelho com bastante frequência!

Então, aproveite esse momento e preste atenção nas suas características. Se observar algum dos sinais que já comentamos, procure o seu médico.

2. Volte ao cirurgião no período indicado

No seu pós-operatório, o cirurgião vai dizer de quanto em quanto tempo você precisa voltar ao consultório. Isso é normal e faz parte do acompanhamento.

Se você cumpre essa orientação direitinho, dificilmente terá problemas. O médico vai apalpar as mamas, observar a simetria e a cicatriz e, se for necessário, pedirá outros exames.

Ninguém é mais apto que o cirurgião para saber se a prótese de silicone deslocou. Então, não deixe de consultá-lo!

3. Siga seu pós-operatório à risca!

Aqui está o conselho mais valioso para não ter o deslocamento da prótese: obedeça todas as recomendações do seu médico!

Esse não é o momento de provar que é uma mulher-maravilha! Aliás, aproveite esse período para cuidar de si mesma e do corpo dos sonhos que acabou de conquistar!

É fundamental que a paciente realmente cumpra o período de repouso estabelecido pelo cirurgião. Por mais bem disposta que se sinta, é importante que ela:

  • não carregue nenhum tipo de peso por pelo menos 3 semanas após a cirurgia, sendo que esse período pode ser estendido pelo médico;
  • não levante os braços acima da altura da cabeça, nem mesmo para atividades simples do dia a dia. Esse cuidado é recomendado por pelo menos 3 semanas após a cirurgia, tanto para evitar o deslocamento quanto para não forçar a incisão;
  • não faça esforços físicos. Exercícios leves, como caminhadas, podem ser feitos a partir de 7 dias após a cirurgia, se o seu médico permitir. Exercícios com levantamento de peso ou mesmo corridas (que balançam as mamas) só podem acontecer depois da liberação do cirurgião;
  • use apenas o sutiã cirúrgico recomendado pelo médico;
  • durma apenas em posições recomendadas pelo cirurgião. Deitar-se de bruços ou permanecer virada para o lado são práticas que devem ser evitadas por cerca de 45 dias ou pelo período que seu médico orientar;
  • evite relações sexuais nos primeiros 14 dias após a cirurgia e, mesmo após a retomada da rotina, não adote posições que causem pressão sobre as mamas;
  • não volte a trabalhar antes do final do período estabelecido pelo médico, que geralmente é de 7 dias, desde que o emprego não exija esforço físico;
  • evite tomar sol nas primeiras semanas após a cirurgia para evitar tanto manchas na pele quanto o inchaço dos tecidos, prejudicando sua recuperação.

A recuperação da cirurgia de prótese costuma ser muito simples. Porém, é importante seguir esses cuidados.

Por isso, a paciente precisa se preparar com antecedência e saber que realizar atividades físicas, dirigir ou até mesmo executar tarefas domésticas pode provocar esse descolamento.

O que fazer para solucionar o deslocamento da prótese?

Depois de saber se a prótese de silicone deslocou, o que a paciente precisa fazer para corrigir essa situação? O primeiro passo para solucionar qualquer complicação é sempre procurar o seu cirurgião plástico.

Por isso, é preciso fazer o exame físico. Nele, o médico pode descartar essa hipótese ou decidir investigá-la. Ele também indicará exames importantes para um diagnóstico preciso.

Se, depois desses procedimentos, o médico chegar à conclusão de que a prótese realmente foi deslocada, a correção acontece por meio de uma nova cirurgia.

Nesse novo procedimento, a prótese será reposicionada, fazendo com que fique esteticamente alinhada às suas aréolas e garantindo o resultado esperado.

Finalmente, esperamos que este post tenha ajudado a solucionar suas dúvidas e que você tenha aprendido como saber se a prótese de silicone deslocou.

Afinal, ter o máximo de informações é a melhor forma de se preparar para a cirurgia, tomar todos os cuidados necessários, garantir um bom resultado e os tão sonhados seios lindos e turbinados!

Confira as 10 características que são essenciais para realizar o gerenciamento da carreira .

O profissional que sabe gerenciar sua carreira faz toda a diferença na mesma. A ideia é que o novo profissional tenha total confiança em si mesmo e saiba o momento certo de agir e ser proativo.

As mudanças no mercado de trabalho tem sido constantes e a concorrência entre profissionais em diversas área está cada vez maior,  por isso é importante saber gerenciar a própria carreira, não espere que a empresa onde trabalha faça isso por você.

Aspectos relevantes

Alguns aspectos devem ser levados em consideração para conseguir guiar a carreira de forma positiva. Confira as 10 características que são essenciais para realizar o gerenciamento da carreira .

1 – Buscar um objetivo : É importante sempre ter um objetivo a ser alcançado, aquele que for conquistado substitua por outro, nunca fique sem alguma meta a ser atingida, dessa forma o profissional se manterá sempre motivado a conquistar algo novo para a carreira.

2 – Autoconhecimento : Se autoconhecer é totalmente relevante para conseguir traçar metas de maneira eficiente, é preciso saber o que escolher de tal forma que não se sinta prejudicado ou tenha que fazer algo que não combine com a sua personalidade.

3 – Revise suas metas : Periodicamente reavalie as suas metas e encontre os motivos de não ter conseguido conquistá-las, ou se conquistou verifique se as próximas metas serão possíveis de se realizar.

4 – Se manter atualizado : Para qualquer carreira que desejar seguir é necessário que se mantenha atualizado com os assuntos relevantes a sua profissão. Algumas áreas exigem que se atualize quase que diariamente.

5 – Networking : Fazer um networking é sempre relevante mesmo que você já esteja 100% satisfeito com a sua posição profissional, nunca se sabe o momento em que vai precisar de um colega para ajudar na conquista de uma nova oportunidade.

6 – Currículo : Mantenha também o seu currículo atualizado, se você fez algum curso, workshop ou participou de uma palestra, inclua no seu resumo profissional. Qualquer atividade relacionada a sua carreira será relevante e deve ser incluída no currículo.

7 – Otimismo : Ser otimista é importante para manter uma carreira de sucesso e bem sucedida, pensamentos negativos acabam levando suas metas e objetivos para baixo.

8 – Invista no Marketing Pessoal : Ponha em suas metas fazer o seu marketing pessoal, investir na comunicação entre colegas de trabalho, tenha atitudes positivas, demonstre suas qualidades e exerça sempre a política no ambiente de trabalho.

9 – Seja Prevenido : Tente se colocar um passo a frente do seu chefe ou colegas de trabalho, isso porque se você for questionado por algum motivo já terá a resposta na ponta da língua.

10 – Seja Flexível : Demonstre no ambiente de trabalho que você é uma pessoa flexível, que sabe trabalhar em equipe, que está disposto para qualquer eventual mudança e que tem disponibilidade para realizar diferentes atividades dentro da empresa.

Fonte: https://www.guiadacarreira.com.br/carreira/10-dicas-de-como-gerenciar-sua-carreira/

Reconstrução mamária aumenta a autoestima das pacientes

A reconstrução mamária é um tipo de cirurgia plástica que normalmente é feita em mulheres que tiveram de realizar a mastectomia, que corresponde à remoção da mama, normalmente devido ao câncer de mama. A reconstrução da mama é um procedimento cirúrgico que tem como objetivo dar uma nova mama às mulheres mastectomizadas, levando em consideração o tamanho, forma e aparência das mamas, de modo a melhorar a auto-estima, autoconfiança e qualidade de vida da mulher que geralmente se encontra prejudicada após a remoção da mama.

O principal objetivo da reconstrução de mama é devolver o peito à mulher ou, então, deixar os seios simétricos e com tamanhos semelhantes, caso só tenha sido removida uma mama, por exemplo. Para isso, existem dois tipos principais de reconstrução mamária com:

  1. Implante, que consiste em colocar um implante de silicone debaixo da pele, simulando a forma natural da mama;
  2. Retalho abdominal em que é retirada pele e gordura da região abdominal para usar na região das mamas e reconstruir os seios. Em alguns casos, também podem ser usados retalhos das pernas ou costas, se não existir o suficiente na barriga, por exemplo.

O tipo de reconstrução deve ser discutida com o médico especialista em reconstrução mamária e varia de acordo com os objetivos da mulher, o tipo de mastectomia realizada e os tratamentos para câncer que foram feitos.

Em muitos casos, caso não tenha sido possível preservar os mamilos durante a mastectomia, a mulher pode optar por tentar reconstruí-los 2 ou 3 meses após a reconstrução da mama ou deixar apenas o volume da mama, com a pele lisa e sem mamilos. Isto acontece porque a reconstrução dos mamilos é um processo muito complexo que deve ser feito por um cirurgião com muita experiência.

Quando fazer a reconstrução

Idealmente, a reconstrução mamária deve ser feita juntamente com a mastectomia, para que a mulher não tenha de passar por um período de adaptação psicológica à sua nova imagem. Porém, existem casos em que a mulher precisa fazer radiação para completar o tratamento do câncer e, nesses casos, a radiação pode atrasar a cicatrização, sendo recomendado atrasar também a reconstrução.

Além disso, quando o câncer é muito extenso e é preciso remover uma grande quantidade de mama e pele durante a mastectomia, o corpo precisa de mais tempo para se recuperar, sendo também aconselhado atrasar a reconstrução.

No entanto, enquanto a cirurgia de reconstrução não pode ser feita, a mulher pode optar por outras técnicas, como o uso de sutiãs com enchimento, para melhor sua auto-estima e ter mais segurança consigo mesma.

Cuidados após a reconstrução mamária

Após a reconstrução, normalmente são colocados gases e fitas nas incisões cirúrgicas, além de ser recomendada a utilização de uma bandagem elástica ou sutiã para diminuir o inchaço e sustentar a mama reconstruída. Pode ser necessário também o uso de um dreno, que deve ser colocado sob a pele, para remover qualquer excesso de sangue ou fluido que pode interferir no processo de cicatrização e favorecer a ocorrência de infecções.

O médico também pode recomendar o uso de alguns medicamentos para diminuir o risco de infecções, além de medidas relacionadas com a higienização do local e acompanhamento médico regular. A recuperação após a reconstrução mamária pode demorar várias semanas, sendo percebido, de forma progressiva, a diminuição do inchaço e melhora na forma da mama.

A nova mama não tem a mesma sensibilidade que a anterior e também é comum que fiquem cicatrizes relacionadas ao procedimento. No entanto, existem algumas opções que podem ajudar a disfarças as cicatrizes, como massagem com óleos ou cremes hidratantes ou procedimentos estéticos, que devem ser feitos sob orientação do dermatologista. 

Mamoplastia: Quando está cirurgia plástica é indicada ?

O que é mamoplastia?

Mamoplastia é a cirurgia plástica das mamas humanas que visa alterar o volume ou a forma delas, aumentando-as por meio da aplicação de silicone ou diminuindo-as por meio da retirada de tecido mamário. Conforme as indicações do cirurgião plástico, em acordo com o paciente, os implantes para aumento do volume podem ser colocados em diversos locais das mamas: periareolar, sulco inframamário, vertical, transareolopapilar, etc. A mamoplastia redutora consiste na diminuição cirúrgica do volume e peso das mamas, diminuindo ou ajudando a reduzir a dor nas costas e o peso nos ombros.

Quando está indicado fazer uma mamoplastia?

Geralmente indica-se a mamoplastia quando a mulher encontra-se incomodada com o volume de suas mamas ou quando elas estejam ocasionando algum tipo de sinal ou sintoma patológico. A mamoplastia também pode consistir na reconstrução das mamas mutiladas por acidentes ou cirurgias de remoção de tumores. Uma flacidez excessiva e incômoda, por exemplo, pode surgir devido ao envelhecimento, à gravidez, à amamentação, a oscilações de peso ou à hereditariedade. O tamanho excessivo das mamas, por seu turno, pode gerar desconforto físico e sintomas como dores nos ombros, nas costas, na coluna e alterações de postura. Por outro lado, mamas muito pequenas podem causar grande insatisfação e baixar a autoestima da mulher, que pode se beneficiar muito de uma mamoplastia que dê mais volume aos seios.

Qual o preparo necessário para fazer uma mamoplastia?

O preparo mais importante para a mamoplastia é esclarecer-se bem com o cirurgião plástico sobre em que consiste a cirurgia, que resultados esperar e quais as possíveis complicações e riscos. A nova mama projetada deve estar em harmonia com a compleição física geral da mulher. Isto é, deve guardar proporcionalidade com o seu corpo. Uma vez feito isso, a paciente deve realizar os exames pré-operatórios de praxe: exame de sangue, eletrocardiograma, radiografia de tórax. Uma detalhada análise da mama com ultrassonografia e mamografia já deverá ter sido feita.

Como se realiza o procedimento?

A paciente deve estar internada em um hospital. O procedimento será realizado num centro cirúrgico e a paciente receberá anestesia local, geral, peridural ou associada, conforme o caso, a critério da equipe cirúrgica.

Existem diversas técnicas cirúrgicas, as quais devem ser adaptadas pelo cirurgião plástico a cada caso concreto. A cirurgia, em si, dura de duas a quatro horas, dependendo do tipo de mama e da intervenção a ser realizada, no entanto, a permanência da paciente no centro cirúrgico pode ser um pouco maior porque envolve também o período de preparação e recuperação anestésicas. Depois da cirurgia são aplicados curativos elásticos e modelantes, os quais devem ser trocados periodicamente, de acordo com a orientação médica. O tempo de internação é curto, em torno de 24 horas.

Como é o pós-operatório da mamoplastia?

Depois da mamoplastia, são necessários os cuidados gerais que devem ser observados em qualquer cirurgia: prevenção medicamentosa de dores (analgésicos) e infecções (antibióticos, se necessários); não tracionar a região operada; deambular o mais rapidamente possível; cuidar bem dos curativos, etc.

Os cuidados específicos com a cirurgia das mamas são:

  • No primeiro mês pós-cirurgia, não movimentar os braços acima dos ombros.
  • Usar sutiã de sustentação, ou sutiã cirúrgico, durante um mês.
  • Não dormir de lado por 30 dias ou de bruços por 90 dias.
  • Evitar tomar sol nas mamas ou fazer exercícios que as sacudam, por 90 dias.
  • Trocar regularmente os curativos durante trinta a sessenta dias.
  • Não carregar pesos, praticar exercícios físicos ou dirigir por trinta dias.
  • Retirar os pontos no período indicado pelo cirurgião plástico (às vezes são usados pontos absorvíveis, que não precisam ser retirados).
  • Os hidratantes podem ser passados ao redor das mamas, mas não sobre o corte cirúrgico.
  • A mulher operada não deve ficar sem sutiã durante os três meses seguintes à cirurgia e depois deve diminuir esse tempo em quatro horas no máximo.

As cicatrizes cirúrgicas passarão por diversos estágios de evolução e, não havendo complicações, ficarão cada vez mais inaparentes, atingindo seu estágio definitivo ao final de um ano após o procedimento. No entanto, elas são facilmente encobertas por sutiãs ou biquínis. As mamas operadas também passam por fases evolutivas e somente depois de doze a dezoito meses assumem sua forma definitiva.

Pacientes com mamas muito grandes, que tenham sido reduzidas, podem apresentar dificuldades de amamentar; se as reduções forem médias ou pequenas, é possível que não haja problemas.

Quais são os possíveis riscos e complicações da mamoplastia?

A mamoplastia tem o mesmo pequeno risco inerente a toda anestesia e cirurgia.

A mamoplastia, mesmo sendo realizada corretamente e pela técnica adequada, pode deixar cicatrizes inestéticas, hipertróficas ou queloidais. Vários recursos clínicos e cirúrgicos, no entanto, executados na época adequada, permitem melhorar tais cicatrizes.

Como evolui a mamoplastia?

Pode levar um tempo relativamente longo até que as mamas atinjam seu ponto ideal. A evolução de uma das mamas pode ser diferente da outra e durante algum tempo elas podem ficar desiguais, o que normalmente se corrige com o tempo.

Mesmo as mamas corretamente operadas sofrerão a ação do tempo e se modificarão correspondentemente ao envelhecimento do organismo.

Procure manter seu peso corporal sem grandes alterações, porque engordar e emagrecer pode fazer a mama ceder muito.

A pele da mama operada pode ficar dormente por algum tempo, mas a sensibilidade volta ao normal com o passar dos meses.

Qual é a hora certa de desmamar?

Segundo dados do Ministério da Saúde, da Sociedade Brasileira de Pediatria e da Organização Mundial da Saúde, a alimentação do bebê deve ser exclusivamente de leite materno até os seis meses de idade. Após esse período, indica-se alternar com papinhas, sucos e outros alimentos.

Muito mais do que prover a alimentação do filho, a amamentação também é um laço entre a mãe e o bebê. E esse é o motivo pelo qual, muitas vezes, as mulheres têm dificuldades de fazer  o desmame. Por isso surge a dúvida: qual é a hora certa de desmamar?

Vale lembrar que isso vai depender de cada criança e também do tipo de relacionamento que a mesma tem com a mãe. Uma amamentação muito tardia pode atrapalhar esse relacionamento e até mesmo o desenvolvimento do bebê, pois ambos se tornam muito dependentes um do outro. Sendo assim, muitas vezes a mãe precisa de acompanhamento psicológico para realizar o desmame.

Leia também:  Bem-estar na gravidez: dicas para cuidar do corpo durante a gestação

Mas com as dicas que separei nesse post, você se sentirá mais segura para fazer o desmame da melhor forma possível, tanto para você quanto para o seu bebê. Leia e confira.

Benefícios do leite materno para o bebê

  1. Fortalece o sistema imunológico;
  2. Ajuda a prevenir alergias;
  3. Pode evitar diabetes, câncer, obesidade e doenças respiratórias;
  4. Facilita a digestão, fazendo com que o bebê absorva melhor os nutrientes;
  5. Reduz cólicas;
  6. Evita diarreia;
  7. Desenvolve o sistema nervoso.

Os sinais mais comuns que o bebê pode apresentar quando já não precisa mais do leite materno são o de não sugar o leite diretamente e, em vez disso, agir como se estivesse com uma chupeta na boca e também se distrair facilmente com outras coisas enquanto está mamando.

Se esse é o caso do seu bebê, preste atenção! Já é hora de começar a fazer o teste: não negue a amamentação, mas também não ofereça. Comece a tentar alternar o leite materno com papinhas e mamadeira, e observe como seu filho reage a esse novo modo de alimentação.

Outro fator que deve ser decisivo na hora de optar pelo desmamar é a rotina da mãe: se precisa trabalhar, se não está conseguindo mais dormir por conta das noites que fica em claro amamentando…

Lembre-se: ninguém deve te dizer o que fazer, é você e o seu bebê que devem escolher a hora de parar.

Descubra: 17 Dicas para conseguir cuidar dos filhos e ter tempo para si

Como começar?

Para o bebê, a amamentação também é uma forma de pedir atenção, amor e carinho. Desse modo, nessa transição, é muito importante fazê-lo entender a diferença entre a hora de se alimentar e a hora de se conectar com a mãe.

Uma maneira de fazer isso é conversando com o bebê e explicando. Pode parecer que eles não vão entender nada, mas vários especialistas recomendam essa tática e garantem que o bebê compreende muito mais do que pensamos.

Depois de isso feito, comece a intercalar o peito e a mamadeira, dessa forma o bebê começa a se habituar. Introduzir papinhas e sucos também pode ajudar. Se a criança chorar e se recusar, não entre em pânico. Tente oferecer água e muito, muito carinho. É tudo sobre adaptação e o bebê precisa de tempo para entender a diferença entre alimentação X conexão com a mãe.

Desmame natural X desmame conduzido

Quando falamos em desmamar, podemos optar pelo natural e o conduzido. O primeiro acontece quando ambos – mãe e bebê – vão cessando aos poucos, conforme necessidade e rotina de cada um. Já o conduzido pode contar com medicamentos para fazer o leite secar.

O desmame abrupto – feito de um dia para o outro – pode causar frustração e confusão no bebê, gerando até mesmo insegurança e problemas psicológicos.

Então, o mais importante de tudo é fazer o desmame sem pressa, mas com prazo final estipulado. Desse modo, a mãe e o bebê terão tempo para se adaptar à nova rotina, sem mudanças bruscas.

Escolhendo um novo local

Para estabelecer a nova rotina, escolha apenas um lugar para realizar a amamentação. Isso vai fazer com que o bebê não peça toda hora, em qualquer ambiente – por exemplo: se ele costuma brincar na sala, opte por dar o leite no quarto. Assim cada vez mais ele se irá se habituar à nova rotina e, cada vez menos, pedirá em outros lugares – inclusive fora de casa.

Veja: Como evitar que seus filhos sejam crianças mimadas?

Qual leite oferecer em vez do materno?

Hoje em dia há várias opções semelhantes ao leite materno, ricas em nutrientes e vitaminas, mas em pó. Consulte seu pediatra de confiança e decida qual é a melhor opção. Lembrando que o leite de vaca é proibido para crianças menores de 1 ano, pois além de conter muita gordura, os bebês podem apresentar alergia.

Determine a duração

No processo de desmamar, é importante estipular a duração. Isso ajuda o bebê a entender que isso não será feito a toda hora, conforme ele deseja, e sim quando a mamãe está disponível.

Associe esse ato a outro membro da família

A alimentação não pode ser apenas relacionada à figura da mãe. Por isso, é importante que o pai, irmãos, avós, etc, também façam parte da nova rotina e introduzam essas novas maneiras de alimentar o bebê. Isso vai trazer mais percepção à criança e desligar um pouco a mãe dessa função, que antes era exclusivamente dela.

De todo modo, é preciso paciência, pois isso não será feito de uma noite para a outra, e tudo bem. Vale ter em mente que é tudo novo para os dois, e ambos estão se adaptando a essa nova maneira de conexão e alimentação!

Não há modo certo e errado, há somente o que funciona para vocês dois e é isso que conta.

Cirurgias plásticas de contorno de corpo que podem ser feitas no verão em 2020

Durante o verão é possível perceber uma forte procura por cirurgias plásticas. Além de ser período de férias, e até bonificações salariais, é um momento em que as pessoas se sentem mais ansiosas para estarem com uma boa autoestima. Mas é preciso cautela na hora de optar pela cirurgia.

Os procedimentos devem ser única e exclusivamente feitos por vontade própria da pessoa, sem intervenções externas. O intuito das cirurgias é sempre trazer mais segurança e mudar positivamente a vida das pessoas”, completa.

Confira algumas cirurgias plásticas de contorno de corpo para ser feita no verão em 2020

Prótese de Mama: Através da inclusão de implantes de silicone, é possível aumentar o volume das mamas de forma natural, valorizando o colo e a forma feminina de forma harmoniosa. Esta cirurgia também é indicada para a correção de pequenas assimetrias mamárias.

ESTA CIRURGIA PLÁSTICA É PARA VOCÊ SE:

-Você acha que suas mamas são pequenas para o seu corpo ou levemente caídas e assimétricas. E isso te impede de ter uma relação saudável com o próprio corpo.

-Suas mamas são ou ficaram muito flácidas após a amamentação, ou há uma grande assimetria entre suas mamas e isso te incomoda ao ponto de buscar pela cirurgia

DURAÇÃO, ANESTESIA, E RECUPERAÇÃO: A cirurgia dura em torno de 40 a 60 minutos e é feita com anestesia local e sedação ou anestesia geral. A internação é de 24 horas. Em média, a paciente retorna às atividades mais leves em até três dias e às atividades físicas dentro de três a quatro semanas.

Lipoaspiração ou lipoescultura: Lipoaspiração ou lipoescultura é procurada por homens e mulheres que se queixam da presença de gorduras localizadas que persistem a despeito de uma alimentação adequada e da prática regular de exercícios. Não se trata de uma cirurgia para emagrecer ou corrigir obesidade, e sim de remodelamento do contorno corporal.

ESTA CIRURGIA PLÁSTICA É PARA VOCÊ SE:

-Você se sente incomodado(a) com focos de gordura localizada presentes mesmo com a prática regular de exercícios e com alimentação adequada.

DURAÇÃO, ANESTESIA, E RECUPERAÇÃO: Esta cirurgia tem duração média de 1 a 2 horas e é feita sob anestesia geral, ou peridural. A internação é de 24 horas. Em média, a paciente retorna às atividades mais leves em até cinco dias e às atividades físicas dentro de 30 a 45 dias.

Abdominoplastia | Plástica de abdome: A plástica do abdômen corrige o excesso de pele e gordura da região abdominal, resultando em um abdome mais plano, firme, e com contorno mais harmonioso.

ESTA CIRURGIA É PARA VOCÊ SE:

– Se além de excesso de gordura na região abdominal você ainda sente que tem flacidez de pele, estrias, e um abdome globoso.

– Esta cirurgia também está indicada quando você receber o diagnóstico de diástase dos músculos retos abdominais. Este tipo de problema comumente ocorre após gestações.

DURAÇÃO, ANESTESIA, E RECUPERAÇÃO: Esta cirurgia tem duração média de 2 a 3 horas e é feita sob anestesia geral, ou peridural. A internação é de 24 a 48 horas. Em média, a paciente retorna às atividades mais leves em até sete dias e às atividades físicas dentro de 30 a 45 dias.

Como escolher o cirurgião plástico para um bom resultado

A cirurgia plástica evoluiu muito nos últimos anos, e tem apresentado resultados cada vez mais naturais e satisfatórios.

Hoje, os procedimentos seguem rígidos padrões de segurança para garantir que o paciente tenha a melhor assistência durante o procedimento e após o fim da cirurgia.

Mas, apesar de toda a sofisticação da aparelhagem e instrumentação, assim como qualificação do cirurgião plástico é muito importante que o paciente siga algumas recomendações para não comprometer os resultados.

Fora isso, é necessário que o paciente, quando tomar a decisão de fazer um procedimento estético, saiba escolher o cirurgião plástico, além de ter atenção sobre que serão os integrantes da equipe médica.

São cuidados simples, mas que aumentam a segurança e eficácia do procedimento, assim como colaboram para uma melhor cicatrização melhor das incisões e recuperação do paciente.

Paciência e diálogo

Você deve imaginar que não se programa uma cirurgia plástica da noite para o dia, salvo em caso extremos e emergências, como em traumas gravíssimos.

Na cirurgia plástica de finalidade estética, o processo é mais demorado, porque envolve uma série de etapas e fatores que irão determinar o resultado positivo para o paciente.

Primeiro, é necessário escolher um cirurgião plástico, que pode ser através de grande pesquisa ou indicação de pessoas que já passaram por algum procedimento.

Tudo começa com o agendamento da consulta médica, onde cirurgião e paciente poderão conversar e esclarecer dúvidas. Cabe ao médico realizar uma avaliação sobre a região a ser operada, constatando assim se de fato é necessária uma cirurgia plástica.

É necessário um diagnóstico sobre riscos cirúrgicos e limitações do biotipo do paciente para cada tipo de procedimento. É muito importante que o paciente e médico se entendam sobre o que se espera e o que pode ser feito em uma cirurgia plástica. Muitas vezes, há uma idealização por parte do paciente que está além do que pode ser realizado.

Sendo assim, o médico também irá pedir os exames laboratoriais que irão atestar se o paciente está ou não apto para realizar a cirurgia plástica.

Medicamentos e fumo

Especialistas recomendam que o paciente que vá se submeter a uma cirurgia plástica suspenda o cigarro pelo menos com um mês de antecedência.

Isso porque a nicotina compromete a oxigenação, o que prejudica o processo de cicatrização. Pacientes que fazem uso de medicamentos  vasodilatadores também devem interromper o uso desses medicamentos, uma vez que aumentam os riscos de sangramento.

O ideal é conversar com o cirurgião sobre o uso de qualquer medicamento, e pedir orientação de seu médico de costume. Já as mulheres devem deixar de tomar contraceptivos, pois podem causar reações em determinados tipos de anestésicos.

Bom, não se trata de grandes sacrifícios, mas são fundamentais para um resultado satisfatório e seguro.

Para quem tem dúvida sobre a escolha do cirurgião plástico, a dica é baixar nosso livro que traz informações essenciais.

Pensando em ajudar as pessoas que sentem o desejo de realizar uma cirurgia plástica, mas que ainda não sabe como proceder ou sentem dúvida sobre a escolha do médico, criamos um e-book reunindo informações valiosas.

Quem tem interesse em realizar uma cirurgia plástica, aqui em Brasília , saiba que a nossa equipe está sempre de prontidão para ajudar no que for necessário.

Dicas para se preparar para uma cirurgia plástica em 2020

4

Já passou pela primeira consulta com o médico e está prestes a agendar sua cirurgia plástica em 2020? Quem está se preparando para realizar qualquer tipo de procedimento cirúrgico precisa ter atenção e alguns cuidados antes da cirurgia, pois isso pode ser essencial para se obter o melhor resultado.

Como as cirurgias plásticas são procedimentos eletivos (ou seja, acontecem em datas específicas, sem urgência), você pode se programar melhor para cumprir com todas as dicas que separei para você nesse texto.  Confira: como se preparar para uma cirurgia plástica!

1 – Está com excesso de peso? Agora é a hora de perdê-lo!

Pacientes com excesso de peso precisam de uma atenção especial, pois podem se tornar um grande problema para o médico quando estão na mesa de cirurgia.

Os níveis elevados de gordura no corpo podem fazer com que esses pacientes apresentem maiores dificuldades de controlar a pressão arterial, o nível de glicose no sangue, além de outros fatores metabólicos que podem influenciar no bom resultado do seu procedimento.

Para evitar ter maiores complicações de saúde durante a cirurgia, e para se recuperar mais rápido no pós-cirúrgico, o ideal é que o paciente comece a trabalhar o processo de perda de peso o quanto antes.

Assim ele se sentirá muito melhor e mais disposto para o dia do procedimento estético que irá realizar. Lembre-se de fazer um acompanhamento com um nutricionista, aumente o volume de atividades físicas que pratica por dia e não realize dietas malucas.

Perder peso precisa ser com cautela, nada de escolher dietas malucas e com grandes restrições calóricas. Pense em sua saúde sempre em primeiro lugar.

2 – Visite seu clínico geral para um check-up completo

Outra dica importante para se preparar para uma cirurgia plástica é fazer um check-up completo. Afinal, qual foi a última vez que você visitou o seu clínico geral para fazer exames e verificar como está a sua saúde como um todo?

Se você está programando passar por algum procedimento estético, a visita ao profissional é indispensável para você conferir se seus exames de sangue, coração, fígado e de outros sistemas estão todos em dia.

O clínico é o médico que ficará responsável por liberar para a realização a cirurgia, avaliando se você não tem riscos aumentados ao passar pelo procedimento estético que optou por fazer.

3 – Busque um cirurgião de confiança

Você já está controlando o seu peso e já visitou o seu clínico geral? Então, agora é a hora de procurar o melhor cirurgião plástico da cidade para atender à sua demanda.

É importante que você conheça bem o profissional que vai realizar o procedimento cirúrgico, onde ele atende, se tem boas referências de outros pacientes e se ele é atencioso.

O paciente precisa se sentir bem e seguro ao lado desse profissional, já que ele será o responsável por oferecer os melhores resultados possíveis durante e após a cirurgia.

Se durante a consulta médico você conseguiu sanar todas as dúvidas, se sentiu à vontade e confiante para realizar o procedimento, este pode ser um importante sinal de que está nas mãos de um bom profissional.

4 – Leve todos os seus exames pré-cirúrgicos no dia do procedimento

Com a cirurgia agendada, prepare uma pequena bolsa com todos os exames médicos e físicos que você realizou no período pré-cirurgico e leve com você para entregar para a equipe médica.

É importante que o cirurgião e sua equipe tenham esses exames em mãos para que possam realizar um procedimento cirúrgico que atenda às suas necessidades individuais e que respeite suas características físicas.

Esses exames também serão um guia de orientação para a equipe médica no caso de alguma urgência.

Viu, como pode ser fácil se preparar para uma cirurgia plástica! Pode ter certeza que com essas dicas você se sentirá muito mais seguro e estará melhor preparado para realizar uma cirurgia plástica sem grandes riscos.

Deseja esclarecer outras dúvidas cirurgia plástica? Entre em contato com a nossa equipe e agende uma consulta.