• (61) 4104-6161
  • apoio@drplastica.com.br

Category Archiveestilo de vida

Férias no verão europeu? Dois novos hotéis para conhecer

Para quem já está de olho no verão europeu, que tal experimentar dois novos hotéis em lugares paradisíacos? Se preparam para a sua primeira temporada o Four Seasons Grécia e o Masseria Torre Maizza, na Puglia, Itália. Com estilos de hospedagens bem distintos, confira o que cada um deles tem a oferecer.

Masseria Torre Maizza

O hotel Masseria Torre Maizza, na Puglia, Itália (Foto: Divulgação)

O hotel Masseria Torre Maizza, na Puglia, Itália (Foto: Divulgação)

Ocupando uma fazendo típica do séc. 16, na região de Savalleteri di Fasano, o Masseria Torre Maizza passou por uma reforma de 6 milhões de euros.

O hotel Masseria Torre Maizza, na Puglia, Itália (Foto: Divulgação)

O hotel Masseria Torre Maizza, na Puglia, Itália (Foto: Divulgação)

O resort boutique, primeiro empreendimento da Rocco Forte Hotels na Puglia – exatamente no salto da bota da Itália no mapa -, tem 40 suítes, sendo que uma delas, com dois quartos, fica no alto da torre original da Masseria.

O hotel Masseria Torre Maizza, na Puglia, Itália (Foto: Divulgação)

O hotel Masseria Torre Maizza, na Puglia, Itália (Foto: Divulgação)

Todos os detalhes remetem a uma certa elegância italiana, mesclando peças contemporâneas à herança local.

O hotel Masseria Torre Maizza, na Puglia, Itália (Foto: Divulgação)

O hotel Masseria Torre Maizza, na Puglia, Itália (Foto: Divulgação)

O hotel possui dois restaurantes, um mais formal, o Carosello, e outro à beira da piscina, além de um bar na cobertura. O menu é de autênticos pratos italianos, todos com ingredientes locais.

O hotel Masseria Torre Maizza, na Puglia, Itália (Foto: Divulgação)

O hotel Masseria Torre Maizza, na Puglia, Itália (Foto: Divulgação)

Os hóspedes ainda têm à disposição uma piscina de 20 metros, campo de golfe executivo de 9 buracos, spa, academia e clube de privado para pegar aquela praia no Mar Adriático.
Isso sem contar, é claro, com um concierge que vai sugerir experiências incríveis pela região embora o hotel em si já seja o programa principal, daqueles lugares para desacelerar e ver o tempo passar.


Four Seasons Grécia

O primeiro Four Seasons na Grécia (Foto: Divulgação)

O primeiro Four Seasons na Grécia (Foto: Divulgação)

O histórico Astir Palace Hotel de Atenas passou por uma renovação completa e agora é o primeiro Four Seasons da Grécia, prontinho para o verão.

O primeiro Four Seasons na Grécia (Foto: Divulgação)

O primeiro Four Seasons na Grécia (Foto: Divulgação)

A 30 minutos do aeroporto, do Acrópole e de todo o centro histórico de Atenas, o hotel ocupa 30 hectares em uma península coberta por pinheiros projetada sobre o Mar Egeu.
O local é a solução para quem está em dúvida entre um hotel em Atenas ou em uma ilha grega, pois engloba as duas opções.

O primeiro Four Seasons na Grécia (Foto: Divulgação)

O primeiro Four Seasons na Grécia (Foto: Divulgação)

São 300 quartos distribuídos entre dois prédios e bangalôs privativos, alguns deles com piscina própria construídos na década de 60 e reformados, podendo escolher qual acomodação é a cara das suas férias na Grécia.

O primeiro Four Seasons na Grécia (Foto: Divulgação)

Piscina privativa de bangaô no primeiro Four Seasons na Grécia (Foto: Divulgação)

Em todo o complexo são três praias privativas unidas por um calçadão de 300 metros, três piscinas (uma delas coberta), cinco quadras de tênis, atividades aquáticas – do windsurfe ao caiaque -, passeios de veleiro ao pôr do sol, quadra de basquete, pistas de corrida e caminhada, campo de golfe e atividades para as crianças.

O spa de inspiração holística é um capítulo à parte, com hidroterapia seguindo as tradições gregas, aromaterapia, hammam, hidromassagem e diferentes tipos de duchas, além do tratamento Epanorthosi Green Caviar Repair, que em 90 minutos promove cuidados anti-envelhecimento. 

O primeiro Four Seasons na Grécia (Foto: Divulgação)

O primeiro Four Seasons na Grécia (Foto: Divulgação)


Além dos oito restaurantes no hotel, na península está o Nobu de Atenas. O serviço vai da piscina à praia, é claro.

O primeiro Four Seasons na Grécia (Foto: Divulgação)

O primeiro Four Seasons na Grécia (Foto: Divulgação)


Como é comum nos hotéis da rede, a equipe de 700 funcionários é em sua maioria de atenienses ou gregos, com vasta experiência em hotelaria ao redor do mundo, mas que retornaram à terra natal, o que torna mais interessante a experiência, já que todos têm a cultura do local arraigada. Para quem já se hospedou em um Four Seasons pelo mundo, sabe como isso é valioso para a rede.

Conheça algumas cidades imperdíveis para conhecer na Sicília

À medida que os viajantes veem a Sicília como parte fundamental de uma viagem para a Itália e procuram por lugares para visitar além de Palermo, Taormina e as Ilhas Eólias, as belas cidades e vilas de Val di Noto ficam cada vez mais populares. Embora atraiam visitantes desde os tempos da tradicional viagem pela Europa, batizada de Grand Tour, esses destinos oferecem os tipos de atrações mais procurados atualmente: autenticidade, tesouros artísticos e muitas delícias gastronômicas, sem multidões de turistas.

Caltagirone

A cidade, que é referência de longa data para cerâmica elaboradamente projetada, tem até um museu, o Museo Regionale della Ceramica, e uma magnífica escadaria, a Scalinata de Santa Maria del Monte, onde os degraus são adornados com padrões de cerâmica associados à longa história local. A ponte St. Francis Bridge também é decorada com peças do tipo.

Catânia

Além de todos os pontos imperdíveis do barroco, como a Catedral de Santa Agatha e a praça Piazza del Duomo, é possível ir diretamente para a Roma Antiga, ao visitar o Teatro Romano, datado do século 2. Nas tardes quentes, vá para as praias próximas, como La Playa ou a Riviera dei Ciclopi, a cerca de 12 quilômetros ao norte.

Militello in Val di Catania

A cerca de uma hora de carro de Catânia, esta cidade tem sido chamada de um museu ao ar livre por sua abundância de palácios e mais de 20 igrejas. As ruínas do Castello Barresi-Branciforti, do século 14, junto do Oratório da Madonna della Catena, estão entre o pouco que sobrou da cidade antes do terremoto.

Módica

A Duomo di San Giorgio, entre as cerca de 100 igrejas da cidade, é um dos melhores exemplos da arquitetura barroca siciliana. A cidade também é conhecida por seu chocolate exclusivo, produzido com métodos que datam dos tempos astecas e que foram usados ​​desde que Módica estava sob o domínio espanhol.

Palazzolo Acreide

Devido aos seus tesouros barrocos e antigos, Palazzolo se tornou um destino para o Grand Tour e o Museo dei Viaggiatori (ou Museu dos Viajantes, em português), no Palazzo Vaccaro, que relembra esse período com documentos históricos de viagens, livros e gravuras. O sítio arqueológico próximo, Akrai, já foi uma colônia grega em 664 a.C.

Destinos de viagem inspirados em “Game of Thrones”

Se você já ficou impressionado com algumas das paisagens de Game of Thrones (cuja última temporada estreia no próximo domingo, 14) e se perguntou se eram todos CGI ou de verdade, saiba que eles são – e que você pode visita-los.

Confira abaixo uma lista de locações reais da série feita pelo pessoal da Kayak, a ferramenta de busca de passagens. São lugares espalhados pelo mundo que podem ser conhecidos bem de perto.

1. Dubrovnik – Croácia (Porto Real)
 
Dubrovnik, na Croácia, é um dos mais importantes destinos turísticos do Mar Adriático, que ganhou ainda mais relevância após o bom desempenho do país no último mundial de futebol. As origens da cidade remontam ao século VII e até hoje ela preserva muito de sua história medieval. Por esses motivos – e por ser um importante porto –, a cidade foi escolhida para representar Porto Real na série. Não deixe de visitar as muralhas da cidade antiga, aproveitar os bares espalhados por elas, pegar o teleférico até o monte Srdj e passear de caiaque pela ilha Lokrum, onde foram filmadas as cenas em Qarth.

2. Ouarzazate – Marrocos (Pentos)
 
Capital da província homônima, Ouarzazate, no Marrocos, é uma pequena cidade onde foram filmadas cenas em Pentos, cidade em que Daenerys começou sua jornada. Apelidada de “porta do deserto”, a cidade fica no centro do país, entre montanhas. O clima é desértico e há boas opções de hotéis e restaurantes, além dos Kasbahs – nome dado às cidadelas muradas construídas no Norte da África com finalidades defensivas há muitos séculos.

O acesso à cidade é feito principalmente por meio de voos, ônibus ou carro a partir de Marrakech, Casablanca ou Fez, as três principais cidades turísticas do país. Também há voos diretos saindo de capitais europeias como Paris e Madri.

3. Castle Ward – Irlanda do Norte (Winterfell)
 
Diversos lugares turísticos da Irlanda do Norte já foram palco de cenas da série. O mais famoso talvez seja Castle Ward, um castelo construído no século XVI no condado de Down como sede da família Ward, onde são feitas as filmagens de Winterfell na série. A arquitetura da estrutura atual remonta ao século XVIII.

No castelo, aberto para visitação do público, é possível praticar arco e flecha e alugar roupas e armas inspiradas nas que foram utilizadas pelos personagens da série. Para chegar a Castle Ward, pegue ônibus, táxi ou carro a partir de Downpatrick ou de Belfast.

Cruzeiros fora do comum para a sua próxima viagem

Já pensou em fazer um cruzeiro com destinos mais exóticos e interessantes? Às vezes, as pessoas procuram por lugares menos frequentados para conhecer – e opções não faltam.

Ha Long Ba

Patrimônio Mundial da Unesco, Ha Long Bay conta com cerca de 1.600 ilhas e ilhotas de calcário, que se projetam do nada, no meio do Golfo de Tonkin, no mar da China Meridional. Há muitas maneiras diferentes de explorar a Baía de Ha Long, mas uma das opções luxuosas é um cruzeiro de dois ou três dias com a Azalea. Os pacotes incluem a transferência de e para Hanói, dependendo do tempo que você tem disponível para explorar esse paraíso.

Ambos os pacotes oferecem atividades como Tai Chi e caiaque. Mas o de três dias também inclui uma excursão a uma vila de pescadores local e à Caverna Toi Sang. Seja qual for sua escolha, uma boa dica é parar e observar as ilhotas passarem por algum tempo.

Noruega

A viagem começa próximo ao Pólo Norte, e desce a incrível costa norueguesa em seis dias. O Cruzeiro Sul, da Hurtigruten, dá a oportunidade de conhecer os fiordes profundos e as montanhas irregulares da fronteira ocidental do país.

O tour começa em Kirkenes, perto do ponto triplo entre a Noruega, a Suécia e a Finlândia, e segue rumo a Mehamn. No segundo dia, os passageiros chegam em Tromsø, seguindo pela costa de Lofoten no dia seguinte. Uma vez em Lofoten, os turistas têm a oportunidade de explorar as montanhas escarpadas e aldeias pacatas, pacíficas, mas repletas de arte e música locais.

No quarto dia, o navio cruza o círculo Ártico e transita por Trondheim e Ålesund no quinto, antes de atracar em Bergen, no sexto e último dia. Além de conhecer mais sobre a tradicional cultura da pesca na Noruega, durante os meses de inverno, caso tenham sorte, os viajantes conseguem ver a aurora boreal.

Nilo

O Egito é famoso por suas pirâmides e por sua história antiga, mas no país há muito mais do que Gizé. Para explorá-lo melhor, os turistas podem reservar um cruzeiro de quatro noites de Luxor a Aswan, com o Sanctuary Retreats. Nele, é possível visitar o Vale dos Reis e o Vale das Rainhas que reinaram nas antigas dinastias de Luxor, enquanto se ruma para Esna, no segundo dia.

Os turistas têm acesso a um “Especialista no Egito”, geralmente um nativo que atua como guia em torno de antigos templos e túmulos. Crocodilos sagrados sob o sol a caminho de Edfu podem ser avistados com frequência, e, a bordo, pode-se ter uma aula de culinária egípcia. É possível também explorar templos locais com lanchas e barcos no estilo felucca, antes de aproveitar um show de cultura na última noite, enquanto o barco atraca em Aswan.

Islândia

A Islândia, ultimamente, está no topo das listas de muitos viajantes, mas quantos deles conseguiram visitar toda a costa oeste do país? É possível cruzar algumas das cidades mais remotas do fiorde com o Cruzeiro Icelandic Mosaic, da Ponant. Com duração de oito dias, o cruzeiro começa e termina na capital do país, Reykjavík, chegando a Grundarfjörður, Isafjörður e Akureyri, assim como às ilhas de Heimaey e Grimsey — um ponto sobre essa viagem, além do fato de oferecer a oportunidade de visitar a incrível costa ocidental e norte da Islândia, é que é difícil ter acesso a Grimsey de outra forma.

Situada diretamente na fenda continental, a ilha tem terremotos diários e pequenos, e a gelada atmosfera ártica, perfeita para visitar de barco.

Amazônia

Se você quiser visitar a maior floresta tropical do mundo, faça um cruzeiro no rio Amazonas com a Rainforest Cruises. Você pode escolher entre quatro países diferentes: Peru, Brasil, Bolívia e Equador. Para uma experiência clássica na Amazônia brasileira, recomendo fazer um cruzeiro de quatro dias, com a Desafio. A escuna oferece uma experiência mais íntima: com apenas doze cabines a bordo, faz com que os passageiros se conheçam e desfrutem de uma incrível viagem pelo rio. O barco sai de Manaus e segue rumo a Anavilhanas, o maior arquipélago fluvial do mundo.

Durante os três dias seguintes, os turistas podem navegar em canoas motorizadas menores pelo arquipélago, para explorar a rede e a confluência dos rios da região. Depois, é possível degustar as refeições tropicais e a vista do rio no caminho de volta à cidade de origem.

Indonésia

Parece que Bali se tornou um lugar quente para o turismo, o que é compreensível, mas a Indonésia é composta por mais de 17.500 ilhas individuais, todas lindíssimas. Para ir a alguns dos paraísos menos conhecidos do país, faça um cruzeiro com a Peregrine. A viagem começa e termina em Kuta, Bali. Além de explorar a ilha, os turistas podem conhecer muito mais durante a viagem.

Com um número máximo de 48 passageiros a bordo e uma idade mínima de 15 anos, a aventura é relaxante e revigorante, com duração de oito dias. De Bali, os turistas vão para Saringi e Keramat, Satonda, Banta e Rinca para ver os dragões de Komodo em seu habitat natural. No caminho de volta, conhecem Moyo e Lombok.

Fromageries: as tradicionais casas de queijo de Paris

Quando, em 1958, Charles de Gaulle, então primeiro-ministro da França, exclamou a emblemática frase “Como alguém pode governar uma nação que tem 246 tipos de queijo?”, não imaginava que esse número viria a crescer, e muito – calcula-se que já são mais de mil tipos de queijo produzidos em território francês. Um verdadeiro universo de sabores para agradar o paladar dos franceses, os maiores consumidores mundiais (mais de 27 quilos de queijo por pessoa por ano, segundo a International Dairy Federation), e também o de seus fãs étrangers de qualquer nacionalidade.

Visitar uma legítima fromagerie francesa, especialmente em Paris, é um ritual que começa antes de você entrar na loja. O aroma dos queijos, desagradável para muitos, inebriante para outros, é perceptível da calçada. Mesmo que você esteja no primeiro grupo, vença esse obstáculo e encante-se com a disposição impecável das vitrines.

Divulgação
Barthélémy, em Saint-Germain

A icônica loja parisiense Barthélémy, no bairro de Saint-Germain-des-Prés, tem em seu comando a fromager Nicole Barthélémy e um time composto exclusivamente por mulheres. Em seu pequeno espaço – normalmente disputado por muitos clientes – reúne mais de 200 variedades de queijos de diversas regiões da França. A especialidade da casa é o cremoso e aerado Fontainebleau. Para os mais atentos, vale reparar na pequena porta que acessa o porão da loja – ali a mágica acontece: o pequeno espaço é onde a especialista realiza a etapa final de maturação de seus produtos, o “voilá” para tornar seus queijos únicos.

A maturação (o envelhecimento dos queijos) é um dos grandes segredos das fromageries mais especiais de Paris. Segundo Bruno Cabral, proprietário da loja paulistana O Mestre Queijeiro, é um processo que pode ser comparado ao de uma obra de arte, onde é necessária “a sensibilidade e o conhecimento para decidir o tempo certo de maturação”, que é diferente para cada um deles (podem variar de um dia a meses ou até anos). “Durante a maturação, as bactérias, enzimas, fungos e as leveduras agem juntas e transformam o queijo. É aí que o queijo se torna mais digerível, consistente, com sabor melhor e aroma peculiar”, explica Cabral. O processo é também influenciado pela temperatura da câmara de maturação, a umidade e outras peculiaridades do local. No processo também é possível acrescentar ingredientes como banhos de cerveja, salmoura, carvão, cinzas de madeiras, ervas aromáticas… Não há limites para a criatividade do profissional.

O “mestre de maturação” é chamado de maître affineur – e, para um ótimo conhecedor, apenas olhar a aparência e sentir a textura da peça de queijo basta para ele decidir se já está em sua melhor condição de consumo.

Nas fromageries Laurent Dubois, o foco são os produtos feitos a partir de leite cru, ou seja, que não passaram por processo de pasteurização. Após a curadoria do proprietário homônimo, que herdou da família a afinidade pelo assunto, grande parte dos queijos também passa por processo de maturação nas caves, todas localizadas em Paris. Atualmente são quatro unidades espalhadas pela cidade, sendo que a mais recente foi aberta em 2018 – um espaço gourmet dentro da loja de departamentos Printemps (do Boulevard Haussmann), nos andares superiores da ala de moda masculina.

A Androuët é uma queijaria mais que centenária e provavelmente a mais tradicional. No começo dos anos 1900, Henri Androuët já comercializava queijos de várias partes da França em Paris, e em 1934 seu filho Pierre se juntou a ele nos negócios. Nos anos 1950, a dupla firmou-se como os fromagers mais famosos do mundo. O legado pode ser conferido até hoje em nove unidades da Androuët espalhadas por Paris, onde, além da vasta variedade de queijos de leite cru e maturados, são oferecidos aulas, degustações e seminários.

Divulgação
Loja de Henri Androuët, aberta em 1909

Uma festa francesa

Quase todas as regiões da França produzem queijos com origem controlada, distinguidos pelo selo AOC, que é reconhecido por seu caráter singular e sua localização geográfica, sistema similar ao da classificação de vinhos. Além dos que possuem denominação AOC, muitos outros tipos são ofertados no mercado. Para distinguir o estilo de cada um foi criada a classificação “Les Huit Familles de Fromage”, que divide a produção em oito grandes famílias segundo suas características, como mostra a tabela abaixo.

7 melhores destinos para os amantes de café

Para quem é viciado em café e gosta de viajar, há ótimas opções de turismo, de uma academia brasileira de café exclusiva, a elegantes cafés italianos e até o inovador National Coffee Park, na Colômbia, um parque temático completo.

 

1. Viena, Áustria

A capital da Áustria é tão famosa por sua cultura de café quanto por seus monumentos históricos.

Desde o tradicional Café Schwarzenberg, que data do século 19, até casas modernas de alta qualidade, como Fürth Kaffee, Viena oferece algo para todos os apreciadores da bebida. Os cafés vienenses vintage mais populares incluem o Café Central e o Café Prückel. Mas, se você gosta de apresentações contemporâneas, vá a lugares como Sassmünd Kaffeebar, Zweitbester e Waldemar. Ah, e se você gosta de desfrutar de um brunch na companhia de felinos peludos, o Das Augustine é o lugar para ir! A melhor época para visitar a Áustria é abril e maio, e setembro e outubro.

2. Cidade de Ho Chi Minh, Vietnã

O café foi introduzido no Vietnã por colonos franceses no século 19. Segundo a Topdeck Travel, o café de estilo vietnamita geralmente inclui ingredientes adicionais como gema de ovo e iogurte para tornar a bebida mais saborosa. Tradicionalmente, o café é servido em um copo com leite condensado no fundo. Shin Coffee, na antiga Saigon, é um dos melhores lugares para provar o especial café vietnamita.

The Coffee Ship é mais uma parada obrigatória para os entusiastas. Instalado em um barco que flutua no canal Kenh Te, é uma das mais modernas cafeterias da cidade. Enquanto isso, se você curte a ideia de saborear a bebida no calor da natureza, não vai errar com o Du Mien Garden Coffee. Outros cafés populares na cidade incluem o Yoko Café, The Workshop Specialty Coffee e The Snap Café. Para uma viagem ideal no Vietnã, planeje sua estadia entre janeiro e março.

3. Milão, Itália

Entre as famosas contribuições culinárias italianas, estão algumas das melhores bebidas à base de café, incluindo espresso, cappuccino, macchiato e caffè d’orzo. Além disso, a cultura do café da capital italiana inspirou o ex-CEO da Starbucks, Howard Schultz.

Algumas das cafeterias mais notáveis ​​em Milão são Orsonero, Marchesi, Taglio, Caffé Napoli e Moleskine Café. A cidade também se orgulha de uma variedade de luxuosos estabelecimentos, como Pavé, Bar Luce e Caffè Baglioni. A melhor época para visitar a Itália é em maio. Ou em setembro e outubro se você quiser evitar um grande número de turistas.

4. São Paulo, Brasil

O Brasil tem sido o maior produtor mundial de café nos últimos 150 anos. Particularmente conhecido por seus cafés do tipo arábica e robusta, o país é um dos melhores destinos para os aficionados. São Paulo é o lar de uma grande variedade de cafeterias e torrefadores.

Há opções tradicionais, como Sofá Café, Café Floresta e o The Little Coffee Shop, e contemporâneos, como Beluga e Octavio. Se você leva seu café muito a sério, uma visita ao Coffee Lab é uma obrigação. A cafeteria também funciona como academia de café. Os visitantes podem experimentar diferentes tipos da bebida, escolhendo entre uma vasta seleção de grãos e métodos de fabricação.

5. Istambul, Turquia

Forte, doce e negro como a noite: este é o café turco. A bebida encorpada é preparada com café finamente moído e não filtrado. É servido em xícaras de porcelana tradicionais conhecidas como “fincan”. Com sua infinidade de lojas de café, Istambul é um destino de sonho para os ávidos amantes da bebida.

Para uma autêntica experiência de café turco, vá ao Pierre Loti Café e ao Fazil Bey’s Turkish Coffee House. Se você quiser explorar estabelecimentos mais badalados, visite o The House Café, Java Studio Istanbul e o Midpoint Café. E, se preferir degustar acompanhado por uma vista deslumbrante, visite o Galata Konak Café. A melhor época para visitar Istambul é entre setembro e o início de novembro.

6. Jacarta, Indonésia

O café é parte integrante do estilo de vida indonésio. O país do sul da Ásia é conhecido por suas variedades excepcionais, incluindo o café Java, Sumatra, Toraja e Gayo. Aficionados por café mais curiosos também podem experimentar o seu Kopi Luwak, ou Café Civeta, o café mais caro do mundo.

Jacarta se orgulha de uma rica cultura do café. A movimentada capital está cheia de cafeterias que agradam todo tipo de amante da bebida. Para aqueles que procuram um local aconchegante para obter sua dose de cafeína, o Lucky Cat Coffee and Kitchen é um destino satisfatório. E, se você gosta de todas as coisas vintage, Trafique Coffee e Bakoel Koffie devem estar em sua lista.

Se o gosto for por café especiais, experimente variedades como Anomali e Coffee Grounds. Como alternativa, para uma experiência cultural imersiva, desfrute de um copo de café com infusão de ervas em uma das barracas de rua chamadas “warung kopi”. Se você está planejando uma viagem a Jacarta, a melhor época é de julho a outubro.

 

7. Seattle, Estados Unidos

Lar do primeiro Starbucks do mundo, localizado no Pike Place Market, Seattle é o lugar perfeito para amantes de café. Gosta da bebida em versões indie e elegantes? Vá ao Elm Coffee Roasters, ao Lighthouse Roasters, ao Analog Coffee ou ao Victrola Coffee Roasters. Se você gosta do seu latte com uma arte super fotogênica, confira o Moore Coffee Shop, na 2nd Avenue. Vá para a Milstead & Co se você quiser provar guloseimas de cafeína difíceis de encontrar. Para os fãs de estabelecimentos tradicionais com um charme do Velho Mundo, o Café Allegro e o Seattle Coffee Works’ Express Bar são altamente recomendados. A melhor época para uma visita à cidade chuvosa é no final de junho ou entre setembro e outubro.

Dicas para ter foco no trabalho

“Mindfulness”, termo em inglês que remete à atenção plena, entrou em nosso cotidiano na última década como uma solução eficaz para o estresse e o esgotamento causado pela disponibilidade em tempo integral ao trabalho, situação criada pelo avanço da tecnologia e já batizada de síndrome de burn-out. É fácil chegar ao fim do dia sem energia, até porque atravessamos as horas navegando por mídias sociais, trocando mensagens de texto e enfrentando um ciclo infinito de notícias. Contra as pressões da vida moderna, estudos sugerem que praticar meditação e respiração pode não apenas ajudar a nos sentir mais relaxados, mas também a aumentar o foco e o tempo de atenção, expandir a nossa memória operacional e melhorar a nossa conexão com os outros.

Young businesswoman meditating sitting on working table in lotus pose in her office.

Comece com 5 minutos

É um equívoco comum pensar que, para meditar, você precisa de um longo tempo sentado. Não é verdade. Você pode meditar a qualquer hora e em qualquer lugar: enquanto viaja, no intervalo do almoço ou antes de fazer uma apresentação.

Use seus 5 minutos contra o estresse
Sempre que tiver com uma tarefa desafiadora pela frente, como conversar com um chefe duro ou um funcionário difícil, pare um pouco, respire e limpe a mente primeiro. Não se jogue na tarefa estressante sem preparação.

Frequência e consistência
Uma semana de curtas meditações — 5 minutos por dia — pode proporcionar ganhos em atenção e energia, além de reduzir o estresse. Dedicar um tempo a si mesmo ajuda a prevenir o esgotamento. Além disso, ao construir o hábito da meditação, você adquire consciência sobre seu corpo, mente e respiração, em momentos de tensão.

Linguagens corporais que todo líder precisa conhecer

A liderança eficaz depende da capacidade de inspirar e impactar positivamente as pessoas. Ao preparar-se para uma reunião importante – com seu time, equipe da qual é líder ou clientes -, você se concentra no que dizer, memoriza pontos cruciais e ensaia sua apresentação, de modo que pareça confiante e convincente. Mas isso, claro, é algo que você já conhece.

Você sabia, no entanto, que as pessoas que espera influenciar estarão avaliando subliminarmente sua credibilidade, confiança, empatia e confiabilidade? E que a avaliação delas será determinada apenas parcialmente pelo que você diz? E que a forma como você usa o espaço e gesticula – além da sua postura, expressões faciais e contato visual – podem melhorar, apoiar, enfraquecer ou até mesmo sabotar seu impacto como líder?

Você causa impressão em menos de sete segundos

Nas interações de negócios, as primeiras impressões são cruciais. Uma vez que alguém o rotule, mentalmente, como “confiável” ou “suspeito”, “poderoso” ou “submisso”, tudo o que você fizer será visto através deste filtro. Se alguém gostar de você, vai procurar o melhor em você. Se ela desconfiar, vai suspeitar de todas as suas ações.

Embora seja impossível impedir que as pessoas tirem conclusões precipitadas – o cérebro humano é estruturado dessa forma como um mecanismo de sobrevivência -, é possível entender como essas decisões podem funcionar a seu favor.

As primeiras impressões surgem em menos de sete segundos e são fortemente influenciadas pela linguagem corporal. Na verdade, estudos descobriram que as pistas não-verbais têm impacto quatro vezes maior do que qualquer fala. Veja algumas dicas para ter em mente:

1. Corrija sua atitude 
As pessoas interpretam sua atitude instantaneamente. Antes de cumprimentar um cliente, entrar na sala de conferência para uma reunião de negócios ou subir ao palco para fazer uma apresentação, pense na situação e faça uma escolha consciente sobre a atitude que deseja incorporar.

2. Sorria
Sorrir é um sinal positivo implicitamente usado pelos líderes. Um sorriso é um convite, um sinal de acolhida e inclusão. Ele está dizendo: “Sou amigável e acessível”.

3. Faça contato visual
Olhar para os olhos de alguém transmite energia e indica interesse e abertura. Para melhorar seu contato visual, pratique prestando atenção na cor dos olhos das pessoas que você conhece.

4. Incline-se levemente
Inclinar-se para frente, para mostrar que você está envolvido e interessado, é uma atitude interessante, mas sempre respeitando o espaço da outra pessoa. Isso significa que, na maioria das situações de negócios, deve-se manter cerca de dois metros de distância.

5. Observe sua postura
Pesquisa da Kellogg School of Management da Northwestern University descobriu que a “postura expansiva”, de se posicionar corporalmente de forma aberta e ocupar espaço, ativa uma sensação de poder que produz mudanças comportamentais nas pessoas independentemente de sua posição ou função real na organização. De fato, foi consistentemente provado em três estudos diferentes que a postura importa mais do que a hierarquia quando o assunto é fazer a pessoa pensar, agir e ser percebida de forma mais poderosa.

6. Aperte as mãos
Esta é a maneira mais rápida e eficaz de conectar-se à outra pessoa. A pesquisa mostrou que leva, em média, três horas de interação contínua para desenvolver o mesmo nível de relacionamento que você pode obter com um único aperto de mão. Certifique-se de fazer contato dessa forma e de que aperto de mão seja firme, sem esmagar os ossos do seu interlocutor.

Construir confiança depende do seu alinhamento verbal-não verbal

A confiança é estabelecida por meio de um alinhamento perfeito entre o que está sendo dito e a linguagem corporal que o acompanha. Se os seus gestos não estão em total conformidade com a sua mensagem verbal, as pessoas subconscientemente percebem a duplicidade, a incerteza ou, no mínimo, o conflito interno.

Neurocientistas da Colgate University estudam os efeitos dos gestos usando máquinas de eletroencefalograma (EEG) para medir “potenciais relacionados a eventos” através de ondas cerebrais que formam picos e depressões. Uma delas ocorre quando as pessoas fazem gestos que contradizem o que é falado. Essa é a mesma onda cerebral que é formada quando as pessoas ouvem uma linguagem sem sentido.

Então, na realidade, quando os líderes dizem uma coisa e seus gestos indicam outra, a mensagem simplesmente não fazem sentido. Sempre que a sua linguagem corporal não corresponder às suas palavras – deixar cair o contato visual, por exemplo, e olhar ao redor da sala, tentando transmitir franqueza, balançar os calcanhares ao falar sobre o futuro sólido da organização ou dobrar os braços ao declarar abertura – a mensagem verbal vai se perder.

O que você diz quando fala com as mãos?

Você já percebeu que, quando as pessoas são apaixonadas pelo que estão dizendo, seus gestos se tornam automaticamente mais animados? Suas mãos e braços se movem, enfatizando pontos e transmitindo entusiasmo.

As pessoas podem não estar cientes dessa conexão, mas já sentiram isso instintivamente. Pesquisas mostram que o público tende a ver pessoas que usam uma variedade maior de gestos sob uma luz mais favorável. Os estudos também descobriram que as pessoas que se comunicam por meio de sinais ativos tendem a ser avaliadas como calorosas, agradáveis ​​e energéticas, enquanto aquelas que permanecem paradas (ou cujos gestos parecem mecânicos) são vistas como lógicas, frias e analíticas.

Essa é uma das razões pelas quais os gestos são tão importantes para a eficácia de um líder e por que executá-los corretamente em uma apresentação pode estabelecer uma conexão muito poderosa com o público.

É possível perceber altos executivos cometer erros de novato. Quando os líderes não usam os gestos corretamente (ao deixarem suas mãos penduradas frouxamente para o lado, por exemplo, ou as colocarem na frente de seus corpos, cruzadas), eles sugerem que não há nenhum envolvimento emocional nas questões ou que não estão convencidos sobre o que estão propondo.

Para usar os gestos de forma eficaz, os líderes precisam estar cientes de como esses movimentos provavelmente serão percebidos. Veja quatro gestos comuns e as mensagens por trás deles:

1. Mãos escondidas
Mãos escondidas fazem você parecer menos confiável. Esse é um dos sinais não-verbais profundamente enraizados em nosso subconsciente. Nossos ancestrais tomavam decisões de sobrevivência baseados apenas em bits de informação visual coletados uns dos outros. Na pré-história, quando alguém se aproximava com as mãos fora da vista, era um sinal de perigo potencial. Embora hoje a ameaça de mãos ocultas seja mais simbólica do que real, nosso desconforto psicológico arraigado permanece.

2. Dedo apontado
Executivos usam esse gesto com frequência em reuniões, negociações ou entrevistas para dar ênfase ou demonstrar domínio. O problema é que apontar com o dedo de forma agressiva pode sugerir que o líder está perdendo o controle da situação – e o sinal remete à repreensão dos pais ou bullying no playground.

3. Gestos entusiasmados
Existe uma interessante equação na movimentação enérgica dos braços e das mãos. Se você quiser projetar mais entusiasmo e motivação, pode fazer gestos mais amplos. Por outro lado, o excesso desses sinais (especialmente quando as mãos são levantadas acima dos ombros) pode fazer você parecer errático, menos plausível e menos poderoso.

4.Gestos centrados
Braços presos na altura da cintura e gestos dentro desse plano horizontal ajudam você – e o público – a se sentirem centrados e compostos. Braços na cintura e dobrados em um ângulo de 45 graus (acompanhados por uma postura em torno da largura dos ombros) também ajudarão você a manter-se energizado e concentrado.

Sete princípios para empoderar as mulheres

As mulheres têm conseguido diminuir as diferenças em relação aos homens no ambiente de trabalho. Embora ainda ocupem menos cargos de gestão e direção nas grandes empresas, elas empreendem mais que eles no Brasil, segundo pesquisa do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae). Em 2016, 51,5% dos negócios foram abertos por mulheres.

No entanto, criar condições para promover a igualdade de gênero em todas as atividades profissionais continua sendo um desafio. Pensando nisso, a Organização das Nações Unidas para as Mulheres (ONU Mulheres) e o Pacto Global criaram os sete princípios para empoderá-las. A ideia é engajar empresas em todo o mundo a incorporar em seus negócios valores e práticas que fortaleçam a economia e impulsionem os negócios sustentáveis conduzidos por mulheres, além de melhorar a qualidade de vida da população feminina.

Confira os sete princípios de empoderamento estabelecidos pela ONU e veja algumas ações que podem diminuir a desigualdade entre homens e mulheres no ambiente empresarial.

1. Estabeleça uma liderança corporativa sensível à igualdade de gênero, no mais alto nível. A diretora comercial e de marketing da Tauá Resorts, Lizete Ribeiro, é uma das proprietárias da rede hoteleira. Ela ajudou a conduzir uma mudança de cultura gradual, porém definitiva, na organização. Hoje, o negócio, com três unidades no país, conta 50% de gestoras, quase todas promovidas internamente.

2. Trate mulheres e homens de forma justa no trabalho, respeitando e apoiando os direitos humanos e a não-discriminação.Segundo a orientadora de cursos do Senac, psicóloga e coach, Jordana Lamar, a presença masculina em campos tradicionais fez com que determinadas profissões fossem atribuídas apenas aos homens. “Nos ambientes que favorecem o diálogo e a construção em grupo, as competências são evidenciadas e o sexismo perde espaço. Neles, o mais importante é ter criatividade, ideias inovadoras e estabelecer relacionamentos honestos.”

3. Garanta a saúde, segurança e bem-estar de todas as mulheres e homens que trabalham na empresa. Um estudo divulgado pelo Ministério da Previdência Social, em 2015, mostra que as mulheres são mais vulneráveis a doenças causadas pelo trabalho. Enquanto os vínculos empregatícios cresceram 79% entre o sexo feminino, nos anos de 2004 a 2013, os auxílios-doença concedidos subiram 172%. Entre os homens, os empregos assalariados aumentaram 53% e a concessão de benefícios por doença teve alta de 60%. Atentas a essa questão, algumas entidades atuam para oferecer mais qualidade de vida às trabalhadoras. Desde 2004, o Sesc conta com o programa Sesc Saúde Mulher, composto por unidades móveis que realizam exames de prevenção de câncer de mama e colo de útero, além de ações educativas para a promoção da saúde.

4. Promova educação, capacitação e desenvolvimento profissional para as mulheres. De acordo com uma pesquisa do Sebrae Minas, 44,8% das empresárias mineiras possui ensino superior incompleto, completo ou especialização. O aumento da escolarização feminina nas últimas décadas está diretamente relacionado ao resultado do estudo. “A mulher considera a escolarização como uma prioridade, por ser um meio de ascensão social. Providas de informação, as empreendedoras podem tomar suas decisões com mais firmeza, ousar mais na carreira e assumir os riscos necessários ao mundo dos negócios”, enfatiza Jordana.

5. Apoie o empreendedorismo feminino e promova políticas de empoderamento das mulheres por meio das cadeias de suprimentos e marketing. É o que fazem corporações como a multinacional Coca-Cola, que tem adotado novas políticas de compras, que incluem privilegiar negócios sustentáveis liderados por mulheres.

6. Promova a igualdade de gênero por meio de iniciativas voltadas à comunidade e ao ativismo social. Há, em todo o país, diversas iniciativas para empoderar mulheres, inclusive aquelas empreendedoras, que garantem independência financeira e de gestão de carreira. É o caso da Mulheres S.A., em Belo Horizonte, criada pela professora e empresária Flávia Ivar. Desde 2015, a rede – hoje com mais de 500 inscritas – oferece capacitação, experiências, networking e benefícios para auxiliar o desenvolvimento de empreendedoras de baixa renda.

7. Meça, documente e publique os progressos da empresa na promoção da igualdade de gênero. Segundo a ONU, 150 empresas brasileiras haviam aderido aos sete Princípios de Empoderamento das Mulheres até o fim do ano passado, tornando público o compromisso com a igualdade de gênero e compartilhando com outros países informações sobre as boas práticas adotadas.

Cirurgia plástica: a importância de ter uma boa alimentação é importante antes e depois da cirurgia

O cuidado com o que se come deve existir sempre, em qualquer momento, idade ou fase da vida. Quando se decide realizar uma operação, no entanto, ele é indispensável. Uma boa alimentação antes e depois da cirurgia plástica deixa o organismo pronto para passar pelo trauma, diminui o risco de complicações e contribui para a conquista de resultados satisfatórios, além de fazer com que o corpo se recupere mais rápido.

Antes do procedimento, o plano alimentar é importante para controlar o metabolismo e o apetite. A ansiedade pode fazer com que haja mais vontade de comer, por isso, é preciso estar atento e buscar apoio psicológico, caso necessário. Da mesma forma, o cardápio é um fator que pode melhorar ou piorar o pós-operatório, por isso, cada detalhe pode fazer diferença.

A mudança nos hábitos alimentares deve começar junto com o pré-operatório e continuar, pelo menos, até o término da recuperação. Além de preocupar-se com a quantidade ingerida de cada nutriente, o paciente deve levar em conta a qualidade do que come.

Cirurgia plástica: a importância de ter uma boa alimentação

O que pode e o que não pode na alimentação antes e depois da cirurgia plástica

Em primeiro lugar, o consumo de produtos ricos em gordura saturada e açúcar refinado, assim como de embutidos, enlatados e industrializados, deve ser evitado durante esse período. Fast food, refrigerantes, biscoitos, carnes gordas, frituras, presunto, salsichas, salames e molhos prontos (em saladas e outros pratos) fazem parte da lista.

Esse tipo de alimento pode interferir no processo de cicatrização e comprometer o sistema imunológico. A ingestão de sal deve ser moderada, pois o sódio é responsável pela retenção de líquido, o que pode aumentar o inchaço.

Os produtos e nutrientes que devem ser mantidos na alimentação antes e depois da cirurgia plástica, para prevenir infecções e ajudar na recuperação, incluem:

Carnes magras e peixes

As proteínas ajudam na recuperação dos tecidos e na cicatrização, pois incentivam a produção de colágeno. Devem ser introduzidas de forma fracionada na alimentação antes e depois da cirurgia plástica.

Gorduras permitidas

Alimentos que contenham ácidos graxos, ômega 3 e óleos vegetais podem ser ingeridos tranquilamente, pois auxiliam na cicatrização e evitam reações inflamatórias.

Cirurgia plástica: a importância de ter uma boa alimentação

Aves, peixes, feijão, lentilha e ervilha

Ricos em ferro, ajudam a prevenir a anemia e problemas de cicatrização. Podem ser consumidos durante o pós-operatório.

Vitamina C

Frutas cítricas (laranja, morango, abacaxi, acerola, limão), vegetais verde-escuro (espinafre, brócolis), tomate e pimentão aumentam a imunidade, a absorção de ferro (prevenindo a anemia) e a produção de colágeno.

Cirurgia plástica: a importância de ter uma boa alimentação

Pão integral, legumes, vegetais e frutas

As fibras auxiliam na diminuição da constipação intestinal durante a recuperação, são cicatrizantes e melhoram a circulação sanguínea.

Iogurte e leite

Equilibram a flora intestinal e ajudam a eliminar líquidos e toxinas.

Líquidos

Manter o corpo hidratado colabora para diminuir o inchaço. Sucos de frutas, água (no mínimo, oito copos por dia) e água de coco mantêm a água e o sódio no organismo.

Para que os resultados conquistados com o procedimento se mantenham, é preciso comprometer-se com um estilo de vida mais saudável, e não somente durante a mudança na alimentação antes e depois da cirurgia plástica. Sem esse cuidado, o corpo pode voltar à forma de antes.

O QUE FAZER EM COIMBRA

Portugal é um destino que tem marcado muito os brasileiros. Todas as cidade  rendem boas lembranças de pontos turísticos históricos importantes, gastronomia de primeira e pessoas muito hospitaleiras. Uma das cidades mais antigas da Europa e uma das maiores de Portugal, Coimbra é um grande centro empresarial, cultural, educacional e histórico. Ela está localizada na província da Beira Litoral, entre Lisboa e Porto, e devido a importante Universidade de Coimbra, a cidade é historicamente universitária.

 

Jardim Quinta das Lágrimas

Se você, assim como eu, gosta de uma história de amor, não pode deixar de caminhar pelo Jardim Quinta da Lágrimas, que foi cenário de uma das histórias mais românticas do mundo, eternizada por Camões: o amor proibido entre o príncipe português Pedro I e a dama de companhia Inês de Castro, que foi coroada morta (Inês foi degolada a mando do Rei D. Afonso IV)  por seu amado quando este se tornou rei. Aliás, é por causa desse acontecimento trágico (e muito romântico) que surgiu a expressão “Inês é morta”.

No jardim, encontram-se a Fontes dos Amores e a Fonte das Lágrimas, rodeadas pelos muros do Jardim Medieval. Em cada um desses locais, há pistas do amor Inês e Pedro I, que trocaram bilhetes, encontraram-se secretamente. Diz a lenda que as águas da Fonte das Lágrimas surgiram das lágrimas de Inês e a coloração vermelha da algas é o sangue da dama.

Jardim Quinta das Lágrimas, Coimbra.

Portugal dos Pequenitos

Tem criança na viagem? Então, essa é uma parada obrigatória! O Portugal dos Pequenitos é um parque temático e lúdico, fundado em 1940, que tem como objetivo mostrar aspectos da cultura e arquitetura portuguesa através da miniatura de importantes patrimônios portugueses em Portugal e no mundo. Além das construções em escala reduzida, o visitante ainda pode conhecer os museus do Traje, da Marinha e do Mobiliário e também casas de banho, lojinhas e cafés.

Universidade de Coimbra

É lindo de passear pela Universidade de Coimbra, que hoje possui cerca de 25 mil estudantes, e saber que é a universidade em funcionamento mais antiga do mundo. Foi fundada em 1290, pelo Rei D. Dinis I, com o aval do Papa Nicolau IV com as faculdades de Artes, Direito Canônico, Direito Civil e Medicina. Atualmente, são mais de 45 cursos disponíveis e a maior comunidade de alunos estrangeiros do país.

Universidade de Coimbra

Biblioteca Joanina

Considerada uma das bibliotecas mais espetaculares do mundo, a Joanina é uma biblioteca do século XVIII, em estilo barroco, também reconhecida como uma das mais originais da Europa. Além de ser um local de pesquisa de estudiosos do mundo todo, é cenário de diversas manifestações culturais como exposições e concertos musicais. A biblioteca, que fica no Palácio das Escolas da Universidade de Coimbra, no pátio da Faculdade de Direito, possui cerca de 1250 m² e 70mil volumes, incluindo um rico acervo de documentos até 1800, conhecidos como Livro Antigo, da Universidade.

Turismo Religioso em Coimbra

Impossível visitar uma cidade portuguesa que não possua pontos turísticos religiosos e Coimbra não deixa a desejar nesse quesito. Independentemente de você ser ou não religioso ou qual é sua religião, vale a pena conhecer algumas construções e museus, com riquíssimos valores históricos.

Sé Velha

Impossível visitar uma cidade portuguesa que não tenha construções religiosas que valham a pena. A catedral Sé Velha possui estilo arquitetônico predominantemente romântico, com toques góticos (claustro) e renascentistas (porta lateral) e é a única nesse estilo da época da Reconquista que continua intacta até hoje. A construção da igreja teve início em 1162 e foi finalizada em sua maioria no início do século VIII, mas passou por obras importantes no século XVI. Ela foi sede episcopal de Coimbra até 1772, quando esta passou a ser na Sé Nova.

É na Igreja da Sé Velha que fica uma das peças mais importantes e bonitas do renascimento português: o medalhão com a imagem de Nossa Senhora com o menino Jesus.

Sé Nova

Sede da Diocese de Coimbra, a Sé Nova começou a ser construída em 1598 e só foi inaugurada em 1698. Sua construção é marcada por linhas simples e fortes, com decoração barroca na fachada e o interior em estilo maneirista. A entrada na catedral é gratuita e, caso queira visitar o museu para conhecer os bastidores, há um valor simbólico de 1€.

 

Mosteiro de Santa Clara

Às margens do rio Mondego fica o Mosteiro de Santa Clara – A velha, que é tido como uma construção de altíssimo valor arquitetônico e cultural de Portugal. Boa parte do edifício encontra-se em ruínas devido a inundações que sofreu ao longo do tempo fazendo com que ele, inclusive, passasse um logo período inativo. Hoje, além de ter as atividades retomadas, é também um museu com rico conteúdo histórico.

Gastronomia em Coimbra

Além dos pontos turísticos, Coimbra é uma das melhores cidades para provar o que a gastronomia portuguesa tem de melhor. É nesta região que é possível encontrar a Chanfana, um prato feito de carne de cabra, ovelha ou porco mergulhada em vinho condimentado, feito em panelas de carro e forno à lenha. E também uma das sete maravilhas da culinária de Portugal, o Leitão à Bairrada.

Um refúgio perfeito no litoral espanhol

O destino de hoje é o Litoral da Espanha. Com águas transparentes e praias de tirar o fôlego, o Mediterrâneo é o destino perfeito para o verão. Sem surpresas até aí. Mas, por que esperar a superlotação de turistas quando você pode optar por curtir a primavera na Europa, exatamente agora? A apenas uma hora do norte de Barcelona, em Costa Brava, fica o hotel de luxo Hostal de La Gavina, um refúgio à beira-mar construído em 1932, que mescla paisagens mediterrâneas com a sofisticação do velho mundo espanhol: lobby com mármores em mosaico, passarelas arqueadas catalãs clássicas, esculturas romanescas em madeira e corredores semelhantes aos de museus decorados com arte e móveis antigos.

Passeios de tirar o fôlego

Você pode caminhar pela famosa trilha costeira Cami de Ronda, que segue em direção às partes mais alta da Costa Brava, com incríveis vistas marítimas e antigas ruínas catalãs que levam às praias imaculadas de Sa Concha. Ou fazer um passeio romântico no calçadão da praia de San Pol, conhecendo os encantos da cidade e curtindo a atmosfera descontraída dos banhistas, surfistas e outros estrangeiros. Outra opção é caminhar pela trilha e observar o enclave S’Agaró, rico em recursos naturais e com villas espanholas clássicas de cair o queixo, onde estão enormes propriedades fechadas, terrenos cheios de flores e piscinas infinitas de frente para o trecho da Costa Brava.

Cenário fascinante e sereno

Dos deslumbrantes terrenos do resort, com pinheiros centenários, magnólias, oliveiras e limoeiros até seu cenário empoleirado bem acima da majestosa baía San Pol, em uma península isolada cercada pelo mar, essa beleza histórica parece ter sido construída para o bem-estar. Há uma piscina de água salgada ao ar livre repleta de espreguiçadeiras confortáveis para se perder no amplo panorama das ondas, dos veleiros à deriva e das praia situadas logo abaixo. Sem mencionar que você pode desconectar-se de tudo no spa com piscina aquecida.

Prove muito além das tapas

A região possui uma cozinha espanhola criativa e uma adega de vinhos bem abastecida, com mais de 200 garrafas de safras regionais e globais. Você pode aproveitar o sol à beira da piscina enquanto experimenta as delícias locais, como gaspacho, paella ou saladas feitas com produtos frescos cultivados na propriedade. Conheça o La Taverna del Mar, em frente à praia, restaurante totalmente romântico com frutos do mar fornecidos diretamente pelos pescadores e vinhos regionais das proximidades, como o delicioso Rioja Tempranillo. Tudo isso enquanto assiste ao pôr-do-sol no terraço do hotel.