• (61) 4104-6161
  • apoio@drplastica.com.br

Category ArchiveCirurgia Plástica Minimamente invasiva

Blefaroplastia a laser: cirurgia é indicada para corrigir os excessos de pele, gordura e flacidez muscular das pálpebras

Para fins estéticos ou funcionais, a blefaroplastia promove o rejuvenescimento na área dos olhos, eliminando o excesso de pele das pálpebras que acaba prejudicando a visão por que corrige a ptose da pálpebra superior (queda de pele) e elimina bolsas de gordura localizadas na pálpebra inferior.

A blefaroplastia é indicada para corrigir os excessos de pele, gordura e flacidez muscular das pálpebras O olhar se levanta e o rosto ganha um aspecto mais jovial.

A blefaroplastia a laser é similar com a cirurgia convencional. É utilizado o laser fracionado CO2 para cortar a pele e ao mesmo tempo cauterizar os vasos. Com a utilização do laser é possível diminuir o sangramento, reduzir a quantidade de hematomas e amenizar o inchaço no pós-operatório.

Pré-requisitos para fazer a Blefaroplastia a laser

O cirurgião plástico deve solicitar exames laboratoriais, fazer uma avaliação médica criteriosa, pedir para o paciente parar de fumar bem antes da cirurgia e evitar tomar aspirina, antiinflamatório e medicamentos naturais, que pode potencializar o sangramento. É válido ressaltar os riscos com a manipulação do laser. Queimaduras em regiões bastante sensíveis, como a córnea pode ser um problema grave.

Como é feita a blefaroplastia a laser

A técnica realizada com o laser CO2 para cortar a pele e ao mesmo tempo cauterizar os vasos, proporciona uma recuperação mais rápida. Provoca menos sangramento na cirurgia, já que o laser realiza a função de selar os vasos sanguíneos, conforme vai cortando a pele.

A diferença está no corte dado nas pálpebras, permitindo uma cicatriz quase imperceptível, devido ao procedimento ser menos invasivo. Na pálpebra superior o corte é realizado no côncavo.

Já na pálpebra inferior, o acesso às bolsas de gordura é feito pelo interior da pálpebra, diferente da técnica convencional. Antes o cirurgião plástico realiza um desenho nas pálpebras, que servirá como base para a intervenção. É muito determinante para o sucesso da cirurgia. Depois aplica a anestesia local e ainda um colírio anestésico.

Em seguida são feitas as incisões, para serem removidos ou redistribuídos os excessos de gordura e de pele, com o auxílio do laser. Durante esse processo, são coagulados os pequenos vasos sanguíneos.

Em alguns pacientes são realizadas suturas internas para reposicionar parte dos músculos das pálpebras e também o canto externo do olho. Para finalizar é realizada a sutura da pele. Em função do tipo de sutura e do material utilizado os pontos podem ser retirados antes ou depois.

Duração da Blefaroplastia a laser

O procedimento requer anestesia local apenas na região dos olhos e sedação, sem a necessidade de hospitalização. É ministrado sedativo oral ou intravenoso. O paciente permanece acordado durante a cirurgia. A cirurgia das pálpebras dura em média 90 minutos. Mas varia de paciente para paciente.

Pós-operatório

A recuperação da blefaroplastia a laser normalmente demora de 5 a 10 dias e os resultados efetivos são percebidos em três meses, com a cicatrização completa. No pós-operatório, fique longe do sol, pois a hiperpigmentação da pele deve ser totalmente afastada.

Contraindicações para blefaroplastia a laser

A finalidade da prática é a mesma que da blefaroplastia convencional. Recebe indicação para a correção do excesso de pele e de gordura nas pálpebras, desde que não haja contraindicações ao laser.

Pessoas que apresentam alguma infecção local, alterações na coagulação do sangue ou do sistema imunológico, ou com a síndrome dos olhos secos, não devem fazer a cirurgia. E mulheres grávidas ou em período de amamentação também não devem realizar o procedimento.

Cirurgia das Pálpebras – tire suas dúvidas sobre esse procedimento

O que é?

A blefaroplastia é o procedimento que melhora a aparências das pálpebras. Pode ser realizada na pálpebra superior, inferior ou em ambas, proporcionando um aspecto rejuvenescido e descansado na área dos olhos.

Para quem é indicada?

A cirurgia das pálpebras é indicada para a eliminação de gordura e flacidez das pálpebras. É recomendada para pessoas que tem inchaço na pálpebra superior, bolsas sob olhos e ainda excesso de pele, que às vezes prejudica a visão. Com a blefaroplastia é possível levantar o olhar, corrigir problemas de pálpebras caídas e também eliminar rugas finas da pálpebra inferior.

QUAL A FINALIDADE DA CIRURGIA DAS PÁLPEBRAS E O QUE EU VOU CONSEGUIR MELHORAR COM ELAS?

RFatores como: idade, textura da pele, distúrbios da acuidade visual, problemas emocionais, etc., poderão deixar como consequência sua marca no território das pálpebras. Quando você é examinado (a) pelo cirurgião plástico, este estará fazendo uma análise profunda, para intervir somente naqueles setores que possam se beneficiar com a cirurgia.

Muitas vezes o problema das pálpebras ocorre devido a fatores clínicos, não estando indicada qualquer cirurgia (olheiras, edemas, etc.). Outras vezes, os problemas clínicos estão associados ao cirúrgico e, mesmo que se opere devidamente as pálpebras, ainda assim persistirá um percentual do defeito original, decorrente do distúrbio clínico associado.

A cirurgia plástica das pálpebras corrige apenas os excessos de pele, gordura e flacidez muscular do território palpebral, podendo, em certos casos, melhorar o aspecto funcional além de estético.

EXISTE UMA IDADE IDEAL PARA SE OPERAR AS PÁLPEBRAS?

R: Não existe uma idade ideal, mas sim, a oportunidade ideal. Essa oportunidade é determinada pela presença do defeito a ser corrigido e geralmente ocorre durante ou após a quarta década.

QUAL O TIPO DE ANESTESIA?

R: Pela extensão da cirurgia e boa qualidade dos anestésicos, a maioria dos casos é operada sob anestesia local (em alguns casos, com uma sedação prévia). Poderá também ser feita sob anestesia geral. Reserva-se esta última conduta para os casos em que clinicamente está contraindicada a anestesia local ou mesmo, quando a blefaroplastia esteja sendo feita simultaneamente a outras cirurgias nas quais sejam indicado este tipo de anestesia.

QUAL O PERÍODO DE INTERNAÇÃO?

R: Em média quando realizada com anestesia local: 6 a 12 horas e com anestesia geral: 24 horas.

QUANTO TEMPO DURA A CIRURGIA?

R: Normalmente, em torno de 90 minutos. Dependendo do caso, existem detalhes que podem prolongar este tempo. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

HÁ DOR NO PÓS-OPERATÓRIO?

R: Geralmente não. Mesmo que ocorra uma sensibilidade maior ou pequenos surtos de dor, estes poderão ser perfeitamente tratados com o uso de analgésicos, que serão prescritos na ocasião da alta hospitalar.

OS OLHOS FICAM MUITO INCHADOS? POR QUANTO TEMPO?

R: O edema (inchaço) dos olhos varia de paciente para paciente. Existem aqueles (as) que já no 4º ou 5º dia apresentam-se com um aspecto bastante natural. Outros existem que irão atingir este resultado após o 8º dia. Mesmo assim, os 3 primeiros dias do pós-operatório são aqueles em que existem maior “inchaço” das pálpebras. O uso de óculos escuros poderá ser útil nesta fase, assim como a utilização de compressas frias diminui a intensidade do edema. Somente após o 3º mês é que poderemos dizer que o edema residual é discreto.

O QUE SÃO AS “MANCHAS ROXAS OU AVERMELHADA ” OBSERVADAS?

R: Nada mais são do que a infiltração do sangue na pele subjacente, e mesmo na conjuntiva ocular; são devidas ao próprio trauma cirúrgico. Isto, entretanto, não constitui qualquer problema futuro e não é considerado como complicação, mas sim, uma intercorrência transitória e reversível.

QUANDO ATINGIREI O RESULTADO DEFINITIVO?

R: Após o 3º mês já teremos um resultado praticamente definitivo, porém resultado final somente após 12 meses.

OS OLHOS FICAM OCLUIDOS, COMO SÃO FEITOS OS CURATIVOS?

R: Você não ficará com os olhos ocluídos. Os pontos ficam expostos (sem curativos nesta região).

Os curativos são feitos da seguinte forma:

-Lavar os olhos com Soro Fisiológico (0,9%) quantas vezes ao dia forem necessárias, ou por acumulo de secreção ou por sensação de ressecamento dos olhos (comuns nos primeiros dias de pós-operatório). Recomendamos inclusive que se guarde o soro na geladeira, pois o soro gelado dará uma sensação bastante agradável.

-Passar mertiolate (clorexidina) sobre os pontos. Pode-se passar com um cotonete, para evitar que caia no olho. Caso caia no olho, lavar com bastante soro fisiológico ou agua corrente.

– É muito importante lembra-se, que ao limpar a pálpebra inferior SEMPRE devemos faze-lo de baixo para cima.

QUAL O CUIDADO QUE DEVEMOS TOMAR AO OPERAR AS PÁLPEBRAS INFERIORES?

R: Ao operar as pálpebras inferiores temos que tirar sempre um pouco menos de pele do que imaginamos ser o ideal para evitar a formação de ectrópio palpebral (a pálpebra inferior fica puxada pra baixo com isso o olha não fecha totalmente, não permitindo que se lubrifique a córnea, o que pode gerar uma ulcera de córnea).

Como já dito anteriormente, também é importante que durante o curativo, ao limpar a pálpebra inferior SEMPRE devemos faze-lo de baixo para cima.

AS CICATRIZES SÃO VISÍVEIS? ONDE SE LOCALIZAM?

R: Sendo a pele das pálpebras de espessura muito fina, as cicatrizes tendem a ficar bem disfarçadas nos sulcos da pele. Para tanto, deve ser aguardado o período de maturação das cicatrizes para que se possa analisa-la, isto ocorre por volta do 12º ao 18º mês de pós-operatório.

Pela sua localização são passíveis de serem disfarçadas com uma maquiagem leve, desde os primeiros dias.

COMO FICARÃO AS CICATRIZES?

R: As cicatrizes terão as localizações já explicadas e são planejadas para ficarem o  mais disfarçadas possível, e passarão por vários períodos de evolução, como se segue:

a – PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto pouco visível. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo.

b – PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período haverá espessamento natural da cicatriz, bem como mudança de sua cor. Este período é o menos favorável da evolução cicatricial; como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que aguardem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.

c – PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 18º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia do abdome deverá ser feita após este período. Raros casos ultrapassam este período para atingir a maturação definitiva da cicatriz.

Lembre-se: Cada paciente comporta-se diferentemente do outro, em relação à evolução das cicatrizes

Rejuvenesça a pele aos 50 anos sem cirurgia plástica

Aos 50 anos, a queda dos níveis hormonais logo se reflete na qualidade da pele, deixando-a mais fina, ressecada e sem brilho, evidenciando as rugas de média profundidade. Com a diminuição da vascularização e da produção das fibras elásticas, a flacidez e a perda do contorno facial também ficam mais evidentes. Para reverter estes sinais típicos da idade, a mulher pode apostar em tratamentos potentes que evitam o bisturi.

Rejuvenesça a pele aos 50 anos sem cirurgia plástica

Rejuvenesça a pele aos 50 anos sem cirurgia plástica

Laser de CO2 fracionado
Indicação: trata rugas médias e profundas, flacidez na pálpebra e rugas ao redor dos lábios.
Como funciona: técnica cria microperfurações e aquece profundamente a derme. O dano térmico estimula a produção de novas fibras de colágeno para reparar a área de tecido danificado, o que gradualmente leva à melhora da flacidez, rugas e textura da pele. Os resultados são visíveis após a primeira sessão.
Quantidade de sessões: varia de acordo com o grau de flacidez e profundidade das rugas.  AGENDE UMA CONSULTA 

Rejuvenesça a pele aos 50 anos sem cirurgia plástica

Radiofrequência  e Infravermelho (NIR)

Indicação: flacidez e perda da definição do contorno facial.
Como funciona: por meio do aquecimento da derme, a associação de tratamentos incita a produção de novas fibras de colágeno, melhorando a flacidez e a espessura da pele. Há um efeito lifting imediato, pela contração do colágeno pré-existente.
Quantidade de sessões: entre quatro e oito sessões semanais ou quinzenais, com manutenção semestral. . AGENDE UMA CONSULTA 

Skinboosters
Indicação: ameniza a desidratação, a perda de viço e as rugas finas, especialmente ao redor dos olhos. Também trata o envelhecimento do colo, pescoço e mãos.
Como funciona: substâncias injetáveis à base de acido hialurônico estimulam duas camadas da pele: a epiderme e a derme. Desta forma, provocam a síntese de colágeno, revigoram a pele e propiciam uma hidratação profunda, além de melhorarem a firmeza e a elasticidade.
Quantidade de sessões: três sessões mensais e manutenção semestral.

Sculptra 
Indicação: combate a flacidez e melhora o contorno facial.
Como funciona: a injeção de uma substância faz os fibroblastos produzirem novas fibras de colágeno, proteína responsável pela jovialidade.
Quantidade de sessões: três sessões mensais para o rosto.

Preenchimentos faciais: quando usar cada tipo de substância?

Preenchimentos faciais são um recurso para promover a beleza ao aumentar lábios considerados finos e suavizar rugas faciais. Eles oferecem benefícios similares ao procedimento de um lifting cirúrgico com um custo bem menor. Além disso, os resultados são evidentes já na primeira sessão, quando é possível perceber os lábios volumosos. Seus efeitos, porém, não são permanentes. Por isso, o cirurgião plástico deve ser bastante criterioso e escolher o tratamento mais adequado. Também é necessário oferecer ao paciente as expectativas reais de resultados.

Preenchimentos faciais: quando usar cada tipo de substância?

Preenchimentos faciais: quando usar cada tipo de substância?

Gordura humana ou gordura autóloga

Hoje em dia, é muito comum que o preenchimento utilize a gordura humana ou gordura autóloga, quando se reutiliza a gordura do próprio paciente como material para o procedimento estético. É válido ressaltar que este é um procedimento mais extenso se comparado com as outras opções de preenchimento injetável. Isso porque ele está vinculado com a necessidade de uma lipoaspiração para extrair gordura na região abdominal ou relacionada, antes do procedimento com a injeção.

A vantagem é que o risco de reação alérgica ou rejeição do próprio corpo são totalmente descartados. Após a extração da gordura por meio da lipoaspiração, faz uma aplicação na região a ser tratada para o rejuvenescimento facial.

Colágeno

A vantagem é que o risco de reação alérgica ou rejeição do próprio corpo são totalmente descartados. Após a extração da gordura por meio da lipoaspiração, faz uma aplicação na região a ser tratada para o rejuvenescimento facial.

Preenchimentos faciais: quando usar cada tipo de substância?

Ácido hialurônico

Outra substância que pode utilizada é o ácido hialurônico, também natural do corpo humano. São encontradas em tecido conjuntivo mole e no fluido que circunda os olhos, em algumas cartilagens e fluidos articulares, assim como no tecido da pele.

Hidroxiapatita de cálcio

A hidroxiapatita de cálcio é encontrada naturalmente no osso humano e participa do mais denso dos preenchimentos faciais. O composto mineral é utilizado para preencher vincos mais profundos como o sulco nasogeniano (o “bigode chinês”), as linhas de marionete e as linhas de expressão. E pode ser utilizado ainda para melhorar a aparência das bochechas e contornos faciais.

Preenchimentos faciais: quando usar cada tipo de substância?

Ácido polilático

Já o ácido polilático é um material sintético que promove a estimulação do colágeno do próprio organismo. Os bons resultados ocorrem na metade inferior do rosto ao preencher as linhas causadas pelo riso, e podem ainda exercer o aumento dos lábios e preencher sulcos nasolabiais mais marcados e profundos. A diferença em relação aos outros preenchimentos mais convencionais é que não disponibiliza resultados imediatos, pois é necessário uma estimulação prévia da produção de colágeno pelo próprio organismo. Os resultados exigem paciência, pois só acontecem ao longo dos meses.

Embora a substância a ser utilizada para o preenchimento seja um ponto determinante para o sucesso do procedimento estético, é necessário muita habilidade profissional para a demarcação da área com pontos estratégicos no rosto. Esses pontos vão ser o caminho, pois representam o auxílio para determinar a localização exata da região envelhecida que deverá receber o tratamento adequado com a aplicação da injeção do preenchimento facial.

Conheça os riscos do PMMA!

Nas últimas semanas muitos casos de erros médicos em cirurgias plásticas e principalmente sobre o uso do PMMA na hora de realizar a bioplastia. No entanto, como o assunto é extenso e requer muitos cuidados, esse POST abordará os riscos oferecidos por essa substância.

 

Vale lembrar que a intervenção estética costuma ser a melhor opção para quem busca realizar pequenas correções no volume da face e do corpo, mas não quer encarar o bisturi. O preenchimento pode ser feito com diferentes substâncias e uma delas é o PMMA, produto derivado do acrílico que promete resultados imediatos e permanentes, além de ser, em forma geral, mais acessível que a outros produtos

Contudo, esse aparente benefício do polimetil-metacrilato pode ser uma via de mão dupla. Isso porque se o resultado do procedimento for satisfatório, você ficará com esse aspecto para sempre, já que a substância não é absorvida pelo organismo. Mas se a intervenção não for bem feita ou ficar em apenas uma área, o resto do rosto continuará sofrendo os efeitos da idade e gravidade e se ocorrer qualquer problema mais sério, os resultados são praticamente irreversíveis.

Opinião dos especialistas

Como os efeitos colaterais e as chances do procedimento não ser um sucesso existem, os cirurgiões plásticos debatem fortemente sobre o assunto, já que para retirar o PMMA do rosto é preciso uma cirurgia um pouco mais invasiva e as cicatrizes podem se tornar um problema para quem buscar a bioplastia como forma de melhorar sua aparência e elevar a autoestima.

Riscos do PMMA

Endurecimento

No organismo, o gel injetado endurece e se torna palpável, ou seja, é possível sentir algo duro no local da aplicação.

Migração e Deformação

Existe a chance de que o PMMA, ainda líquido ou já endurecido, se desloque pelo organismo da paciente, o que pode, dependendo do volume aplicado, causar uma deformação estética.

Alergia

Por ser um produto sintético, as chances de ocasionar reações alérgicas são maiores. Corticoides podem ser usados para tratar os sintomas, que variam desde vermelhidão e inchaço até pus e dor.

LEMBRE-SE Todo membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica deve, obrigatoriamente, ser encontrado no site da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica O Dr Alexandre Nunes de Andrade é Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

Infiltração

Por causa de sua composição química, o PMMA pode ser infiltrar nos tecidos musculares, o que impossibilita a remoção do produto. Em situações como essa, é preciso retirar parte do tecido junto com o PMMA.

Necrose

Grânulos formados pela substância podem comprimir microvasos, prejudicando a circulação sanguínea ou até interrompendo-a. Esse efeito, chamado de isquemia, pode resultar na perda tecidual.

Cicatriz hipertrófica

Quando injetado dentro do músculo, o PMMA pode estimular a formação de cicatrizes hipertróficas. Isso acontece por causa do movimento muscular constante. Por esses motivos, o PMMA só é recomendado em pequenas quantidades. Portanto, realizar preenchimento nos glúteos ou nos quadris é altamente contraindicado.